Busca avançada
Ano de início
Entree

O impacto da inflamação oral e Intestinal na paralisia cerebral.

Resumo

Introdução: A inflamação do intestino oral tem um impacto na saúde geral, colocando os indivíduos em risco de adquirir doenças crônicas e infecções. Devido a distúrbios neuromotores e ingestão de medicamentos, indivíduos com paralisia cerebral (PC) apresentam constipação intestinal, afetando sua qualidade de vida (QV). Nosso objetivo foi investigar como os níveis de inflamação oral predizem fenótipos intestinais e resposta à terapia.Métodos: Um total de 93 indivíduos com idade entre 5 e 17 anos foram incluídos no estudo, e distribuídos em um dos 4 grupos: PC com constipação (G1, n = 30), PC sem constipação (G2, n = 33), e controles sem PC com constipação (G3, n = 07) e sem PC e sem constipação (G4, n = 23). Além de caracterizar os dados demográficos clínicos dos indivíduos, ingestão de medicamentos, níveis de gravidade da doença, níveis de citocinas salivares (TNF-±, interleucina (IL) -1², IL-6, IL-8, IL-10) e prioridades do cuidador e saúde infantil Índice de Vida com Deficiências (CPCHILD). A significância estatística foi avaliada por Shapiro-Wilks, teste T de Student, ANOVA e análise ANCOVA.Resultados: As citocinas pró-inflamatórias salivares foram altamente correlacionadas com a forma grave de constipação intestinal no G1 (P <0,001), e de todas as citocinas os níveis de IL-1² demonstraram maior correlação com toda a constipação intestinal (P <0,05). Foi encontrada uma relação significativa entre o tipo de medicação, em que os indivíduos em uso de ácido gama-aminobutírico (GABA) e GABA + (GABA em associação com outra medicação) foram mais propensos a ter constipação do que os outros grupos (P <0,01). Níveis inflamatórios salivares claros e constipação intestinal foram correlacionados e afetaram a QV dos indivíduos com PC. O G1 apresentou menor escore médio de QV do CPCHILD (49,0 ± 13,1) em relação ao G2 (71,5 ± 16,7), quando comparado ao G3 (88,9 ± 7,5), e ao G4 (95,5 ± 5,0) (P <0,01). Consideramos o sangramento gengival como cofundador da inflamação oral e não houve diferenças entre os grupos em relação ao sexo (P = 0,332) e idade (P = 0,292).Conclusões: Coletivamente, os resultados sugerem que os níveis inflamatórios da saliva estão ligados à constipação intestinal e que o impacto clínico dos medicamentos que controlam o intestino foi monitorado de forma confiável por meio dos níveis de citocinas orais, fornecendo informações confiáveis e não invasivas em diagnósticos de precisão. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)