Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de detecção colorimétrica utilizando plataforma de biologia molecular e nanotecnológica para o diagnóstico rápido de COVID-19

Resumo

Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus-2 (SARS-CoV-2) é o agente da Doença do Coronavírus 2019 (COVID-19). A transmissão ocorre por contato com superfícies contaminadas, inalação de aerossol ou através de perdigotos e secreções. Entre o 5º-14º dia podem aparecer: febre, tosse seca, cansaço, dor de garganta, cabeça, diarreia, perda do olfato e/ou paladar entre outros. Nos casos graves: dificuldade para respirar, dor/pressão no peito, perda de fala e movimento e estão na sua maioria associados a comorbidades. A doença alcançou status de pandemia com um grande número de óbitos. As principais metodologias para o diagnóstico são o teste rápido (sensibilidade 70%) e RT-PCR (sensibilidade 99%, que apresenta custo elevado). Diagnosticar e rastrear pacientes é importante para diminuir a disseminação e permitir o retorno seguro das atividades econômicas, educacionais, lazer e desportivas. O objetivo é desenvolver um teste sensível, específico, simplificado, acessível, por detecção colorimétrica de SarsCov-2. Amostras de nasofaringe e saliva dos pacientes com COVID-19 serão coletadas. No microtubo 1 será realizada a extração do RNA. No microtubo 2 serão acrescentados reagentes para síntese de cDNA e RT-PCR acrescidos de primers tiolados (regiões: Spike, RNApol e Nucleocapsídeo), após será submetido a ciclagem térmica no banho seco. Posteriormente o reagente 3 (leitura) será adicionado, que contém nanopartículas de ouro. A mudança de cor do vermelho para o azul será observada quando ocorrer detecção do material genético por dois princípios: RT-PCR (aumento exponencial dos genes alvo) e Nanotecnologia (primers tiolados nas extremidades do amplicom reagirão com nanopartículas ocorrendo a reação colorimétrica). Os resultados deste projeto serão uma solução de baixo custo para o diagnóstico qualitativo e quantitativo precoce e assertivo do paciente sintomático e identificação do assintomático. Contribuindo para o planejamento de políticas públicas no que diz respeito ao tratamento e mitigação do contágio.) (AU)