Busca avançada
Ano de início
Entree

Uma abordagem integrativa para a análise de processos dispersivos, adaptativos e evolutivos entre espécies relacionadas com distribuição intercontinental: a família Osteoglossidae (Teleostei, Osteoglossiformes) como modelo investigativo: parte IV

Processo: 20/11772-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2021 - 31 de maio de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Marcelo de Bello Cioffi
Beneficiário:Marcelo de Bello Cioffi
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Pesq. associados: Carlos Congrains Castillo ; Luiz Antonio Carlos Bertollo ; Orlando Moreira Filho ; Ricardo Utsunomia ; Tariq Ezaz ; Thomas Liehr
Bolsa(s) vinculada(s):21/06263-0 - Plano de Trabalho para Bolsa TT3 junto ao Laboratório de Citogenética de Peixes, BP.TT
Assunto(s):Biogeografia  Citogenética  Cromossomos  Evolução  Peixes 

Resumo

O presente projeto dará continuidade à temática de investigação da história evolutiva, a qual vem sendo abordada em nossos projetos anteriores aprovados pela FAPESP. Neste sentido, serão enfocadas problemáticas que ainda necessitam ser mais bem compreendidas, abrangendo questões biogeográficas e de dispersão de espécies entre diferentes continentes, as rotas de colonização utilizadas, bem como as consequências evolutivas decorrentes do isolamento geográfico e adaptação aos novos ambientes colonizados. A ordem Osteoglossiformes constitui um excelente material de estudo, visto que este grupo primitivo de teleósteos, embora restrito a ambientes de água doce, se encontra atualmente disperso em diferentes continentes. Representantes de uma de suasa famílias, os Osteoglossidae, serão particularmente investigados, considerando sua pertinência para os objetivos propostos. Conhecidos popularmente como aruanãs, os osteoglossídeos constituem um dos grupos mais emblemáticos de Osteoglossiformes, hoje distribuídos em diferentes países do Velho e do Novo Mundo. Destacam-se pela sua beleza e exuberância do padrão de coloração, o que resulta em cifras altíssimas por seus espécimes no comércio aquariofilista. Na América do Sul, particularmente na região amazônica, ocorrem duas espécies endêmicas, o aruanã prata (Osteoglossum bicirrhossum) e o aruanã preto (Osteoglossum ferrerai), enquanto na Ásia ocorrem linhagens distintas de Scleropages formosus, diferenciadas pela diversidade do padrão de coloraçãoido. Assim sendo, este grupo oferece uma oportunidade ímpar para investigações de genes que podem estar sendo submetidos à um processo de rápida evolução e seleção natural, como aqueles associados ao padrão de cor, permitindo colonizações bem-sucedidas em novos ambientes e o entendimento de como o genoma pode favorecer respostas adaptativas. Paralelamente, a reconstrução biogeográfica da diversificação desta família, com testes de hipóteses que potencialmente explicam a estreita relação filogenética de espécies distribuídas em diferentes continentes, possibilitará o entendimento do processo dispersivo ocorrido neste grupo. O efeito da deriva continental será avaliado e comparado com outras hipóteses que explicam os padrões de diversificação atualmente observados. Finalmente, análises citogenéticas acopladas à modelos de delimitação de espécies serão realizadas em 05 variantes de cor de Scleropages formosus (o aruanã asiático), buscando subsídios robustos, em nível cromossômico e genômico, que possam permitir investigar se destas variantes constituem espécies distintas, uma questão que ainda permanece em aberto nesse grupo. Serão utilizadas abordagens integrativas da citogenética molecular, biogeografia, genômica e transcriptômica, propiciando um embasamento mais robusto às propostas presentadas. Integrando este projeto encontra-se uma equipe composta por 09 grupos de pesquisa nacionais e internacionais, somando esforços para a sua viabilização, permitindo assim que os objetivos propostos sejam de fato atingidos. (AU)