Busca avançada
Ano de início
Entree

Myxozoa - cnidários adaptados ao parasitismo: integrando diferentes ferramentas para investigar diversidade, história evolutiva, desenvolvimento e interações parasito-hospedeiro

Resumo

Uma linhagem de cnidários divergiu para se tornar endoparasitas, os quais compõem o subfilo Myxozoa, comportando cerca de 2.500 espécies distribuídas nas classes Myxosporea e Malacosporea. Os mixosporídeos encerram a vasta maioria das espécies de mixozoários atualmente conhecidas. Em seu complexo ciclo biológico, estes parasitos infectam vários tecidos e órgãos de vertebrados, principalmente peixes, mas também de anfíbios, répteis, aves e mamíferos, e ainda anelídeos, que são os hospedeiros invertebrados. Uma variada gama de espécies de mixosporídeos são importantes patógenos de peixes, e apresentam grande impacto econômico na aquicultura e na pesca comercial, inclusive no Brasil. Os malacosporídeos, por outro lado, contam com apenas uma pequena fração da diversidade dos mixozoários, sendo restritos a apenas cinco espécies. O complexo ciclo biológico destes parasitos envolve briozoários de água doce como hospedeiros invertebrados e peixes. A espécie Tetracapsuloides bryosalmonae causa a doença renal proliferativa em salmonídeos, com danos importantes a estes hospedeiros e contribuindo para diminuir a produtividade e aumentar os custos de produção em pisciculturas da Europa. Na América do Sul, contudo, não havia até o presente, relatos de malacosporídeos em peixes. Mas estudos recentes realizados em nosso laboratório revelaram a existência de malacosporídeos dos gêneros Buddenbrockia em peixes comerciais amazônicos. Também em estudos recentes, realizados por pesquisadores do nosso grupo, foram registradas duas espécies de mixosporídeos infectando tartarugas da América do Sul. Neste contexto, a proposta deste projeto é ampliar substancialmente os estudos de Myxozoa parasitos de organismos aquáticos da fauna brasileira. Em particular, nossa proposta é utilizar, de forma integrada, um conjunto de ferramentas para investigar diversidade, história evolutiva, desenvolvimento, distribuição e interações parasito-hospedeiro de mixozoários encontrados em nosso meio. Serão utilizadas ferramentas de taxonomia (microscopia de luz e morfometria), análises histológicas, microscopia eletrônica de varredura, de transmissão e 3D (tridimensional), microscopia confocal a laser, sequenciamento de DNA pelo método Sanger (SSUr-DNA) e sequenciamento de nova geração - NGS. Os estudos serão realizados a partir de amostras obtidas em peixes de importância comercial, em répteis (Testudines) e em anfíbios (Anura). Os hospedeiros peixes serão estudados a partir de coletas em ambiente natural (na região de Manaus, AM, região de Santarém, PA, região de Barão de Melgaço, MT e região de Porto Rico, PR) e em pisciculturas dos estados de Rondônia e de São Paulo. Para Testudines e Anura, os exames serão realizados apenas em espécimes oriundos da bacia Amazônica (regiões de Manaus e Santarém). O objetivo deste projeto é inventariar a diversidade de Myxozoa de uma forma inédita na América do Sul, com foco em mixosporídeos e malacosporídeos. Um dos principais objetivos é usar métodos NGS para desenvolver marcadores para estudos evolutivos e análises de genéticas de populações de Myxozoa (por exemplo, elementos ultraconservados [UCEs] e marcadores de DNA associado a sítios de restrição [RADSeq]. O estabelecimento de protocolos para o desenvolvimento de novos marcadores será útil também para o estudo de outros parasitas de peixes. Além do avanço no conhecimento geral dos parasitas mixozoários de peixes e outros animais aquáticos, o projeto proposto envolverá estágios de iniciação científica, dissertações de mestrado, teses de doutorado e estágios de pós-doutorado, resultando em publicações em periódicos internacionais especializados. Ao reunir pesquisadores em diferentes estágios de carreira e com especialização complementar, o trabalho proposto incentivará o desenvolvimento de recursos humanos altamente qualificados que estarão aptos a promoverem importantes avanços na pesquisa de patógenos de animais aquáticos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)