Busca avançada
Ano de início
Entree

RESTOLINK: Quantificação do sucesso da restauração em diferentes biomas pela integração entre biodiversidade, multifuncionalidade e heterogeneidade hidromorfológica

Processo: 21/04399-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2022 - 31 de março de 2025
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Saneamento Ambiental
Convênio/Acordo: União Europeia (Horizonte 2020)
Pesquisador responsável:Davi Gasparini Fernandes Cunha
Beneficiário:Davi Gasparini Fernandes Cunha
Pesq. responsável no exterior: Mario Brauns
Instituição no exterior: Helmholtz Association, Alemanha
Instituição-sede: Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Pesq. associados: Björn Gücker ; Iola Gonçalves Boechat ; Juliano José Corbi
Assunto(s):Serviços ambientais  Restauração ecológica  Funcionamento do ecossistemas  Ecossistemas aquáticos  Biodiversidade  Hidromorfologia  Rios 

Resumo

As abordagens e iniciativas de restauração ambiental para melhorar a hidromorfologia dos ecossistemas aquáticos têm gradativamente se espalhado em todo o mundo, mas muitas vezes não conseguem garantir um estado ecológico satisfatório e recuperar a biodiversidade de tais ambientes. As evidências atuais do efeito dominante da hidromorfologia sobre a biodiversidade e o funcionamento ecossistêmico sugerem que o forte potencial para restauração hidromorfológica não é totalmente explorado em medidas de reabilitação de rios e riachos. Nós salientamos que a restauração é muitas vezes conduzida para atender a objetivos meramente estéticos, em vez de considerar explicitamente as escalas de morfologia aquática e de hidrodinâmica, que são particularmente relevantes para a biodiversidade e para o funcionamento dos cursos de água. Além disso, os indicadores usuais de sucesso da restauração são principalmente relacionados à biodiversidade, a qual pode não mostrar necessariamente as mesmas trajetórias de recuperação que as principais funções ecossistêmicas. Integrar aspectos funcionais dos ecossistemas às estimativas do sucesso da restauração pode aumentar nossa capacidade de detectar antecipadamente o sucesso da restauração e vinculá-la aos serviços ecossistêmicos que os seres humanos recebem da natureza. Apesar dos repetidos apelos da comunidade científica para melhor conectar a biodiversidade com o funcionamento dos ecossistemas em programas de restauração, tais abordagens integradas são escassas até o momento. Nós propomos uma nova estrutura para avaliar o sucesso da restauração por meio da integração entre três facetas centrais dos ecossistemas de rios e riachos, quais sejam: heterogeneidade hidromorfológica, biodiversidade multigrupo (da microbiota e da macrobiota) e multifuncionalidade do ecossistema. Aplicaremos essa abordagem a cursos de água em um vasto gradiente latitudinal (do bioma boreal ao tropical) em quatro países participantes (Brasil, Alemanha, Espanha e Suécia), nos quais fatores de grande escala, como clima, vegetação e hidrologia, podem definir limites e particularidades para as respostas locais. Com o nosso projeto RESTOLINK, i) identificaremos escalas de hidromorfologia que precisam ser restauradas para induzir a recuperação da biodiversidade (tema 3 da chamada BIODIVERSA), ii) decifraremos o papel da biodiversidade para o funcionamento dos ecossistemas aquáticos em estudo (tema 1), iii) estabeleceremos funções ecossistêmicas como novos indicadores, bem como novas metas de restauração dos ambientes de água doce (tema 2), iv) determinaremos limiares de biodiversidade que devem ser restaurados para maximizar a multifuncionalidade dos ecossistemas (tema 1), e v) avaliaremos as incertezas dos alvos de restauração multifuncional e de biodiversidade nos diferentes biomas estudados (tema 3). O RESTOLINK avançará nosso entendimento fundamental de como a complexidade física, a biodiversidade e o funcionamento ecossistêmico estão interligados. Esse conhecimento guiará os gestores para adequar as medidas de restauração com vistas a promover a biodiversidade, além de garantir o estado ecológico e o funcionamento dos rios e riachos. Os indicadores funcionais entregues pelo RESTOLINK subsidiarão a implementação das Metas de Biodiversidade de Aichi, da Estratégia de Biodiversidade da União Europeia para 2030, bem como iniciativas semelhantes no Brasil por diferentes partes interessadas em nível nacional, estadual e municipal, considerando a biodiversidade e o funcionamento dos ecossistemas como commodities ambientais em risco. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)