Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação morfológica, dermatoscópica e molecular dos nevos melanocíticos e do Melanoma com glóbulos periféricos

Processo: 22/12558-5
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2023 - 31 de janeiro de 2025
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Juliana Casagrande Tavoloni Braga
Beneficiário:Juliana Casagrande Tavoloni Braga
Instituição Sede: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente (FAP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados: Ana Flavia Aquen de Moraes ; Clóvis Antonio Lopes Pinto ; Dirce Maria Carraro ; Giovana Tardin Torrezan ; Tatiana Cristina Moraes Pinto Blumetti
Assunto(s):Dermatologia  Melanoma  Nevos e melanomas  Dermoscopia  Diagnóstico precoce 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Braf | Dermatoscopia | glóbulos periféricos | melanoma | nevo melanocítico | Tert | Dermatologia

Resumo

A morfologia e biologia do nevo melanocítico (NM) com glóbulos periféricos (GP) é descrita como parte do processo natural de evolução do nevo melanocítico sendo caracterizada como fase de crescimento. Por outro lado, os melanomas cutâneos (MC) com glóbulos periféricos ainda permanecem indefinidos.Desenvolvemos um estudo inicial (aceito e publicado em revista internacional de alto impacto, 11,57; "JAAD - Journal of American Academy of Dermatology" (doi: 10.1016/j.jaad.2022.04.031) que analisou as características dermatoscópicas e morfológicas dos nevos melanocíticos e melanomas cutâneos com glóbulos periféricos sendo possível identificar diferenças que auxiliam no diagnóstico clínico e precoce do melanoma. Neste estudo retrospectivo, avaliamos 401 lesões melanocíticas com GP sendo 41 melanomas. Identificamos que lesões melanocíticas com GP nos indivíduos com mais de 30 anos de idade, localizadas nos membros inferiores, apresentando padrão dermatoscópico desorganizado e na presença de uma das seguintes características: borrão, pontos e glóbulos atípicos ou vasos atípicos possuem maior probabilidade para serem melanomas e assim, devem ser excisadas.O aparecimento do melanoma possui etiologia multifatorial, a interação entre fatores intrínsecos e extrínsecos que está fortemente associada ao desenvolvimento do MC. Do ponto de vista genético, o melanoma é um dos cânceres mais mutantes em termos de alterações somáticas. A classificação do genoma do melanoma feita pelo "The Cancer Genoma Atlas" em 2015, caracterizou o melanoma com 4 subtipos moleculares: BRAF-mutado, RAS-mutado, NF1-mutado e, tipo triplo negativo. Esta classificação corresponde a maioria dos tipos de melanomas "clássicos". Ainda em relação ao maior risco para o desenvolvimento do MC ao longo da vida, as nossas células passam por milhares replicações o que aumenta o risco para mutações somáticas podendo levar ao crescimento desordenado. Durante o processo de replicação celular os cromossomos são expostos a uma perda de material genético e, para prevenir e corrigir este processo existem os telômeros. Repetidos ciclos de replicação celular levam ao encurtamento do telômero e sinalizam a senescência, resultando em apoptose celular. Este é um mecanismo protetor contra proliferação celular desordenada e possível desenvolvimento de célula tumoral. Os avanços nas pesquisas moleculares deste tumor têm revolucionado o tratamento da doença avançada. Atualmente com painéis genéticos mais amplos que permitem avaliar diferentes mutações capazes de orientar e predizer a falha terapêutica. Adicionalmente, análise molecular pode complementar o diagnóstico anatomopatológico de lesões ambíguas e contribuir para a compreensão de diferenças biológicas evolutivas e clínicas observadas entre os diferentes subtipos de melanoma.O objetivo primário deste projeto é descrever os achados morfológicos, dermatoscópicos e o perfil mutacional (através da análise dos genes BRAF, NRAS, KIT e TERT) de lesões melanocíticas com GP procurando diferenciar as lesões melanocíticas benignas do melanoma cutâneo. A finalidade deste projeto é reconhecer fatores de risco para o desenvolvimento do melanoma cutâneo e auxiliar no seu diagnóstico precoce e acurado através da descrição do padrão dermatoscópico e melhor compreensão da tumorigênese dessa neoplasia, com a descrição do perfil de mutações somáticas.O objetivo secundário é comprovar o algoritmo de conduta proposto no estudo inicial (doi: 10.1016/j.jaad.2022.04.031), através de análise prospectiva.Com esses resultados, esperamos auxiliar na prevenção e diagnóstico precoce do melanoma com glóbulos periféricos em indivíduos nas diferentes faixas etárias, procurando melhorar a sobrevida dos pacientes com este tumor além de reduzir os custos do sistema de saúde consequentes do diagnóstico tardio. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)