Busca avançada
Ano de início
Entree

Coorte de nascimento T21 São Paulo: estudo longitudinal da saúde e desenvolvimento de crianças com Síndrome de Down na cidade de São Paulo

Processo: 22/12022-8
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de setembro de 2023 - 31 de agosto de 2028
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Convênio/Acordo: Instituto Jô Clemente
Pesquisador responsável:Fábio Bertapelli
Beneficiário:Fábio Bertapelli
Instituição Sede: Instituto Jô Clemente (IJC). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Alexandre Archanjo Ferraro ; Gabriela Arantes Wagner ; Gary R. Cutter ; Leticia Maria Santoro Franco Azevedo Soster ; Michelle Caroline Fernandes ; Stamatis Agiovlasitis
Bolsa(s) vinculada(s):23/17282-0 - Treinamento técnico Coorte T21 São Paulo: Base Eletrônica SAMPA-T21, BP.TT
23/13038-8 - Coorte de nascimento T21 São Paulo: estudo longitudinal da saúde e desenvolvimento de crianças com síndrome de Down na cidade de São Paulo, BP.JP
Assunto(s):Desenvolvimento infantil  Crianças  Síndrome de Down  Estudos longitudinais  Prática clínica baseada em evidências 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:desenvolvimento neuropsicomotor | Epidemiologia Do Ciclo Vital | saude materno-infantil | Sindrome de Down | Trissomia do 21 | Epidemiologia

Resumo

Síndrome de Down (SD) é uma condição genética que afeta múltiplos sistemas corporais. Distúrbios do neurodesenvolvimento, baixa estatura, defeitos cardíacos, obesidade, distúrbios do sono, atraso motor e inatividade estão entre as muitas condições de saúde associadas a SD. No entanto, inúmeros desafios relacionam-se ao estudo dessas características, incluindo sua prevalência, epidemiologia e padrões. Primeiro, há escassez de informações relacionadas à saúde e desenvolvimento de crianças com SD em países de baixa e média renda (LMICs). Segundo, as evidências sobre saúde e desenvolvimento de crianças com SD baseando-se em coortes de nascimentos prospectivas, especialmente em LMICs, são limitadas. Terceiro, a identificação de fenótipos funcionais precoces de vários domínios, incluindo trajetórias do neurodesenvolvimento, crescimento, sono, nutrição, atividade física e motoras é escassa em crianças com SD antes dos três anos de idade, limitando a caracterização precoce de crianças com SD com maior risco de desfechos adversos. Nosso estudo identificará e caracterizará os fenótipos precoces de alta, moderada e baixa funcionalidade mediante avaliação prospectiva de saúde, crescimento, nutrição, sono, atividade física, neurodesenvolvimento e funções motoras em todas as crianças nascidas entre 1º de agosto de 2024 e 31 de julho de 2025. Esses fenótipos serão utilizados para orientar a predição de risco clínico e permitir a otimização de recursos limitados de saúde para maximizar benefícios, direcionando-os adequadamente para diferentes fenótipos de severidade funcional. Dados abrangentes do perfil de saúde e função cerebral serão obtidos entre o nascimento e 36 meses de idade. Incluiremos dados sobre morbidade pré-natal e perinatal, desfechos de nascimento e neonatais, antropometria incluindo medidas de massa gorda e magra (utilizando medidas de dobras cutâneas e Bod Pod), aleitamento materno, morbidade infantil, estados de imunização e avaliações funcionais incluindo medida neuropsicomotora global (testes Neo-NBA, OX-NDA e INTER-NDA), visão (testes de Cardiff), audição (potenciais evocados auditivos de tronco encefálico) e quantificação diária e noturna de movimentos e eventos de sono, incluindo latência, duração do sono, despertares e eficiência (utilizando acelerômetros triaxiais e polissonografia) aos 0, 1 e 2 anos de idade. Utilizando perfis abrangentes de saúde e função cerebral e múltiplas técnicas estatísticas com aprendizado de máquina, construiremos (1) trajetórias funcionais para nossa coorte, (2) identificaremos fenótipos de alta, moderada e baixa funcionalidade e (3) identificaremos os principais fatores de risco e resiliência. Nossos achados gerarão dados importantes para orientação e predição clínica de fenótipos precoces de alto risco e possibilitarão o direcionamento de intervenções precoces. Nossas análises também ajudarão a identificar novos alvos de intervenção nos primeiros 1000 dias de vida para crianças com SD. Ao adotar essa abordagem, nosso estudo será a primeira coorte de ampla abrangência, predizendo risco e identificando alvos terapêuticos para crianças com SD em LMICs. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)