Busca avançada
Ano de início
Entree

Padrões de dispersão e maturação sexual em machos de uma vespa de papel neotropical

Processo: 23/12334-2
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 20 de abril de 2024 - 19 de maio de 2024
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Comportamento Animal
Pesquisador responsável:André Rodrigues de Souza
Beneficiário:André Rodrigues de Souza
Pesquisador visitante: Markus Rantala
Inst. do pesquisador visitante: University of Turku, Finlândia
Instituição Sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:20/14464-2 - Seleção sexual em vespas sociais neotropicais, AP.JP
Assunto(s):Mischocyttarus  Entomologia 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:dispersal | life history | Mischocyttarus | Sexual maturation | social insect | entomologia

Resumo

Para maximizar a aptidão, machos de himenópteros sociais (formigas, abelhas e vespas) investem na reprodução direta em vez de ajudar seus parentes. Contudo, a reprodução direta é limitada pela maturação sexual. São necessários alguns dias de vida adulta para que espermatozoides migrem dos testículos para os órgãos de armazenamento (vesículas seminais). É apenas a partir das vesículas seminais que os espermatozoides podem ser misturados com produtos das glândulas acessórias e compor o ejaculado. Machos de vespas sociais passam o início da vida adulta em seu ninho natal. Eles não forrageiam para si nem para a colônia, em vez disso, recebem alimento via trofalaxia tanto das fêmeas adultas quanto das larvas até se tornarem sexualmente maduros e, em geral, deixarem o ninho permanentemente para acasalar. O ambiente social de uma colônia pode ser bastante variável em termos da presença e do número de fêmeas adultas e larvas, o que pode ter fortes efeitos na quantidade de alimento que os machos sexualmente imaturos receberão. Os benefícios de permanecer no ninho natal durante a maturação sexual (dispersão natal retardada) podem ser maiores para os machos que experimentam ambientes sociais mais favoráveis (por exemplo, ninhos com mais fêmeas adultas e larvas). Consequentemente, machos que vivem em ambientes sociais menos favoráveis poderiam se dispersar mais cedo. A biologia reprodutiva dos machos de insetos sociais tem sido frequentemente estudada em locais de acasalamento, como leks, enxames ou mesmo no ninho em alguns casos. Menos atenção tem sido dada ao comportamento dos machos antes de chegar aos locais de acasalamento, apesar dos potenciais impactos na sua capacidade competitiva. Para preencher esta lacuna de conhecimento, investigaremos padrões de dispersão e maturação sexual em machos de uma população selvagem da vespa social neotropical Mischocyttarus cerberus. Primeiro, testaremos se a dispersão é dependente da idade e está associada à maturação sexual. Estes padrões são frequentemente assumidos, mas evidências empíricas sobre eles são escassas. Em segundo lugar, testaremos se a dispersão atrasada é prevista pelo ambiente social. Uma variedade de ambientes sociais (de apenas alguns à dezenas de adultos e larvas) e idades de dispersão dos machos (5-23 dias) ocorrem em colônias contemporâneas desta espécie, mas uma ligação entre estes nunca foi abordada em himenópteros sociais. Finalmente, uma vez que o ambiente social num ninho pode, em última análise, afetar a disponibilidade de alimento para os machos, testaremos experimentalmente se a dispersão dos machos é modulada pelas oportunidades de obtenção de alimento no ninho. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)