Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização biológica da malha de polidioxanona, funcionalizada ou não com i-PRF, em relação ao tecido conjuntivo; estudo in vitro, ex vivo e in vivo

Processo: 23/17056-0
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2024 - 30 de abril de 2026
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Daniela Bazan Palioto Bulle
Beneficiário:Daniela Bazan Palioto Bulle
Instituição Sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Paulo Tambasco de Oliveira
Assunto(s):Engenharia tecidual  Regeneração  Tecido conjuntivo  Biomateriais  Polidioxanona 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:arcabouço 3D | Biomaterial | i-PRF | Polidioxanona | regeneração | tecido conjuntivo | Engenharia tecidual (Regeneração)

Resumo

O desenvolvimento e aprimoramento dos biomateriais existentes como substitutos mucosos é requisitado, pois possibilita alternativas à utilização de enxertos autógenos. Atualmente, as matrizes colágenas de volume estáveis apresentam resultados promissores quando comparadas ao enxerto de tecido conjuntivo subepitelial. No entanto, este tipo de biomaterial é de origem alogênica (pele humana) ou origem xenógena (derivado suíno). Um substituto mucoso de composição sintética seria uma alternativa vantajosa, pois, associaria os benefícios das propriedades das matrizes já existentes à vantagem de menor imunorreatividade e questões éticas por não se tratar de um derivado de origem animal. Malhas e filamentos de polidioxanona (PDO) figuram como materiais promissores em dermatologia e cirurgias plásticas, como estimuladores de colágeno ou sustentação tecidual. A caracterização biológica desse material (polímero de polidioxanona) permitirá conhecer suas características biológicas para, posteriormente, possibilitar estudos subsequentes investigando a aplicação como substituto mucoso sintético. Além disso, arcabouços 3D parecem propícios à incorporação de bioativos de forma a otimizar o comportamento celular direcionando os mecanismos envolvidos na formação do coágulo, integração tecidual e, consequentemente, processo de regeneração. O objetivo deste estudo é, por meio de análises in vitro, ex vivo e in vivo, caracterizar o comportamento celular e de formação do coágulo fisiológico da polidioxanona e também entender se a biofuncionalição com i-PRF poderia acrescentar ou modular a relação do tecido conjuntivo ao material. Serão cultivadas células fibroblásticas (Fb) da linhagem C57BL/6 de camundongos (SCRC-1008, ATCC, Manassas, VA, EUA) sobre a polidioxanona (PDO+Fb) diretamente ou a polidioxanona funcionalizada com iPRF (PDO+iPRF+Fb), perfazendo 5 dias de cultura, compondo as análises in vitro. Nas análises ex vivo, fibroblastos C57BL/6 serão cultivados sobre a PDO acrescida de coágulo fisiológico de 16h produzido no animal (PDO+PhC+Fb) e PDO funcionalizado com iPRF acrescida de coágulo fisiológico (PDO+PhC+iPRF+Fb). Será analisada a morfologia (microscopia eletrônica de varredura - 24h pós plaqueamento), viabilidade, migração e diferenciação celular (ensaio Live/Dead, 24h e 5 dias pós plaqueamento e ensaio MTT em 5 dias). O ensaio ELISA será realizado para quantificação das glicoproteínas fibronectina e tenascina (análise em 5 dias pós plaqueamento celular). No ensaio in vivo, após 16h do procedimento (implantação da matriz no dorso de camundongo - grupo PDO e grupo PDO+iPRF) será avaliado a morfologia superficial produzida (MEV) e caracterização do coágulo fisiológico formado por citometria de fluxo. Após 7 e 21 dias de implantação da PDO e do PDO+iPRF no dorso de camundongos serão caracterizadas a reação inflamatória (análise histomorfológica das secções coradas em HE), e a deposição colagênica (análise histomorfológica das secções coradas com Picrosirius Red). A angiogênese será avaliada por imunofluorescência indireta verificando o índice percentual médio de vasos neoformados, utilizando anticorpo monoclonal específico anti-VEGF-A, para avaliar o Fator de Crescimento Endotelial Vascular A (VEGF-A). Os dados serão avaliados pelo teste de homoscedasticidade, por testes paramétricos ou não paramétricos, estabelecido o nível de significância (p<0,05). Os resultados serão expressos descritivamente e em gráficos com média ou mediana e desvio padrão (média ± erro padrão) ou desvio interquartílico (mediana ± interquartílico). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)