Busca avançada
Ano de início
Entree

Modelagem isotopica de depositos mesotermais de ouro do brasil

Processo: 94/06122-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 1995 - 31 de março de 1998
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Bernardino Ribeiro de Figueiredo
Beneficiário:Bernardino Ribeiro de Figueiredo
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IG). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ouro  Geocronologia 

Resumo

A produção de ouro no Brasil ainda é muito pequena quando comparada com outros países de potencialidade geológica similar. Um número não estimado de novas jazidas de ouro ainda está por ser descoberto no nosso território. O sucesso na expansão da produção de ouro trará como conseqüência a geração de empregos e divisas para o país e, mais particularmente, a promoção do desenvolvimento econômico regional. Entre os vários tipos de depósitos de ouro, os mais promissores, no Brasil, agrupam-se na categoria dos depósitos mesotermais, localizados em terrenos vulcânicos e sedimentares Arqueanos e Proterozóicos. Em países como a Austrália, onde ocorreu um grande salto na produção do ouro na última década, mesmo em condições de não elevação de preços, a contribuição da pesquisa científica e tecnológica para o maior conhecimento de seus distritos auríferos constituiu, inegavelmente, um dos fatores determinantes do sucesso alcançado. No Brasil, nos últimos anos, têm sido publicados vários estudos específicos sobre depósitos mesotermais de ouro. São, porém, escassos os projetos que visem integrar informações geológicas de vários distritos auríferos com o intuito de elaborar modelos conceituais e previsionais que sirvam de base para as estratégias exploratórias da indústria. A elaboração de modelos conceituais para depósitos mesotermais de ouro incluí a realização de estudos voltados para (i) identificação dos processos geradores dos fluidos mineralizantes e sua relação temporal com a evolução tectono-metamórfica regional e local (ex: zonas de cisalhamento e estruturas associadas); (ii) determinação dos meios de transporte do metal em soluções hidrotermais a grandes profundidades na crosta terrestre; (iii) proposição dos mecanismos de deposição do ouro em volumes e teores adequados, e (iv) entendimento das transformações pós-deposicionais que podem ter afetado os depósitos. A ênfase do projeto está colocada na aplicação de técnicas da geologia de isótopos radiogênicos para a avaliação das fontes de fluidos e metais e para a determinação de idades de rochas, estruturas, alteração hidrotermal e mineralizações. Esses estudos isotópicos supõem que os distritos minerais estejam suficientemente pesquisados através dos métodos convencionais da geologia de depósitos (mapeamento, geologia estrutural, petrologia, estudos de inclusões fluidas etc). O uso dos isótopos estáveis não está contemplado na presente proposta porque a tornaria muito ampla para um projeto de dois anos e devido às dificuldades de obtenção dessas análises no Brasil. A presente proposta contempla estudos em depósitos selecionados de três importantes distritos auríferos brasileiros, a saber: Quadrilátero Ferrífero (MG), Rio Itapicurú (Ba) e Alto Guaporé (MT). Os depósitos foram escolhidos em função dos objetivos do projeto, familiariedade anterior dos membros da equipe e não superposição com atividades de pesquisa de outras instituições. Na etapa final do projeto está prevista a extensão da pesquisa para um quarto distrito aurífero em terreno granito-greenstone do sul do Pará. Os dados obtidos neste projeto contribuirão para a elaboração de teses de doutorado e dissertações de mestrado, além de vários trabalhos científicos que deverão ser publicados em revistas de circulação nacional e internacional. A difusão de resultados parciais em eventos técnico-científicos propiciará o acesso rápido da indústria às informações geradas neste projeto. (AU)