Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo farmacodinâmico e farmacocinético da cocaína e cafeína em equinos

Processo: 96/00636-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 1996 - 30 de abril de 1998
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Antonio de Queiroz Neto
Beneficiário:Antonio de Queiroz Neto
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Cavalos  Farmacocinética  Cocaína  Cafeína  Farmacodinâmica 

Resumo

As drogas a serem estudadas neste projeto são, sem dúvida, os estimulantes de uso legal (cafeína) e ilegal (cocaína) mais difundidos e utilizados pela população humana em todo mundo. Estas mesmas substâncias podem ser usadas para melhorar, artificialmente, o desempenho de cavalos de corrida. Por outro lado, na ultima década, o desenvolvimento e adaptação de imunoensaios diminuíram significativamente o limite de detecção de drogas em amostras de eqüinos. Em conseqüência disso, o número de amostras positivas para drogas em cavalos de corrida, vem aumentando proporcionalmente ao aumento de sensibilidade das novas técnicas. O grande número de resultados positivos para cocaína em eqüinos, relatados nos Estados Unidos nos últimos anos suporta a idéia de que pequenas quantidades administradas por terceiros ou contaminação acidental, podem estar envolvidos em alguns casos. Com relação aos positivos para cafeína, podem ainda estar associados à alimentação dos cavalos com alimentos contaminados por este fármaco. Para evitar a declaração de positivos para quantidades inefetivas de drogas, se faz necessário definir os limiares de concentração plasmática aceitáveis. Somente acima desses limiares a amostra seria declarada positiva. Este projeto visa determinar as doses mínimas efetivas de cocaína e cafeína sobre a atividade locomotora espontânea de cavalos e relacionar a administração destas doses com as concentrações plasmáticas obtidas em diferentes momentos após a administração, até o término do efeito farmacológico. (AU)