Busca avançada
Ano de início
Entree

Fotografia e representação - as fotografias de Militão Augusto de Azevedo na construção dos tipos sociais e da memória urbana

Processo: 96/05486-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 1996 - 30 de setembro de 1997
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:José Sebastião Witter
Beneficiário:José Sebastião Witter
Instituição-sede: Museu Paulista (MP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):São Paulo  História das cidades 

Resumo

A idéia central deste projeto é explorar, através da linguagem multimídia (CD-ROM), problemas correlatos à fotografia como representação social. Esta problemática maior, que pretende desconstruir as noções de realismo, veracidade, prova documental ou, ainda, apoio ilustrativo tradicionalmente vem associado ao suporte fotográfico, não costuma se desenvolver fora do meio acadêmico. A pesquisa pretende adotar como "porta de acesso" principal ao problema da representação visual a apresentação e análise do processo de reciclagem de sentidos por que passam as fotografias sobre a cidade de São Paulo produzidas em 1860 e em 1887 pelo fotógrafo Militão Augusto de Azevedo. Trata-se de discutir o uso da fotografia como matéria-prima privilegiada para a construção e reconstrução de representações urbanas associadas a funções marcadamente ideológicas legitimação da desestruturação do meio urbano, do "progresso", da racionalização no gerenciamento da cidade, efetivados através da fruição visual de imagens do passado. A segunda "porta de acesso" ao problema da representação será o uso da fotografia urbana no processo de musealização da cidade, que leva à sua forma radical as funções de legitimação e apaziguamento. A terceira "porta de acesso" desloca o problema da representação urbana para aquela do indivíduo. Trata-se aqui da construção da personagem social através da produção do retrato fotográfico montagem do cenário, que abrange desde a ambientação do indivíduo em um meio artificial até a definição da indumentária apropriada, gestualidade e fisionomia. Como são comuns no modo interativo de produção e consumo da informação, estas três abordagens permitirão que, simultaneamente aos problemas teóricos abordados, sejam fornecidos detalhes sobre os seguintes temas: história da fotografia: gêneros fotográficos, biografias de fotógrafos, históricos de ateliês, mercado de consumo, publicidade, inovações técnicas, o funcionamento dos ateliês e dos laboratórios fotográficos no século XIX (pretende-se aqui a montagem de um estúdio e laboratório virtuais); tratamento documental da coleção Militão Augusto de Azevedo, adquirida pelo Museu Paulista/USP: restauração, conservação e catalogação informatizada, técnicas de captação da imagem, montagem de exposição fotográfica; história da cidade de São Paulo: aspectos morfológicos e fisiológicos, dimensão cultural, processos de revitalização do patrimônio urbano, etc. Pretende-se atuar de forma inovadora em três níveis: no conhecimento científico, aprofundando-se uma discussão já iniciada no meio acadêmico, com a qual tem contribuído membros deste projeto. no campo documental, divulgando um acervo de 13.000 imagens fotográficas, na sua esmagadora maioria inédito; na veiculação do conhecimento científico e documental sobre fotografia no Brasil em um sistema de linguagem não linear, ou seja, através de um CD-Rom. (AU)