Busca avançada
Ano de início
Entree

Aumento da biomassa de eucalipto pela introdução do gene CAB via transformação genética

Processo: 98/01394-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Parceria para Inovação Tecnológica - PITE
Vigência: 01 de julho de 1998 - 30 de junho de 2001
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Silvicultura
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Labate
Beneficiário:Carlos Alberto Labate
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Empresa: Suzano Papel e Celulose S/A
Município: Piracicaba
Bolsa(s) vinculada(s):99/11817-9 - Aumento da biomassa de eucalipto pela introdução do gene CAB via transformação genética, BP.TT
99/01669-2 - Aumento da biomassa de eucalipto pela introdução do gene CAB via transformação genética, BP.TT
99/01670-0 - Aumento da biomassa de eucalipto pela introdução do gene CAB via transformação genética., BP.TT
Assunto(s):Biomassa  Eucalipto  Inovações tecnológicas  Transformação genética 

Resumo

Este projeto de inovação tecnológica teve por objetivo a transformação genética de híbridos comerciais de Eucalyptus grandis e Eucalyptus smith com o gene quimérico RSLhcb1 de ervilha. Para tanto, inicialmente foram testados diferentes métodos de transformação, usando Agrobacterium, bombardeamento de microprojéteis e eletroporação de protoplastos. A pesquisa teve por base os resultados da expressão desse gene em plantas de tabaco (Nicotiana tabacum) e alface (Lactuca sativa), que promoveu o aumento da biomassa nas plantas transformadas, além de uma série de efeitos pleiotrópicos sobre a morfologia, desenvolvimento vegetativo e fisiologia. Em condições limitantes de luz, as plantas transgênicas de tabaco apresentam maior capacidade fotossintética e de síntese de carboidratos. O eucalipto é uma cultura ideal para aplicações dessa tecnologia, em razão do rápido crescimento e da capacidade de propagação vegetativa. A importância econômica da produção de celulose e madeira como fonte de energia exige que novas tecnologias sejam incorporadas ao sistema de melhoramento vegetal para aumentar a competitividade do produto brasileiro no mercado nacional e internacional. (AU)