Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo clinico epidemiologico e molecular nos defeitos de fechamento de tubo neural (dftn).

Processo: 98/04754-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 1998 - 31 de outubro de 2000
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Ana Beatriz Alvarez Perez
Beneficiário:Ana Beatriz Alvarez Perez
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Epidemiologia  Prevenção  Homocisteína 

Resumo

Entre as enfermidades humanas condicionadas pelos genes, as anomalias congênitas representam o grupo mais freqüente e os Defeitos de Fechamento de Tubo Neural (DFTN) um dos de maior impacto médico-social. Está provado que a suplementação nutricional com o ácido fólico no período periconcepcional pode diminuir a recorrência e a ocorrência destes defeitos. Um número de pesquisadores na área de prevenção de defeitos congênitos pôde demonstrar que a prevenção dos DFTN pelo ácido fólico é parcialmente baseada na hiperhomocisteinemia e na predisposição genética, mais precisamente uma mutação no gene metilenotetraidrofolato redutase (MTHFR). De fato, indivíduos portadores da substituição C677T no gene MTHFR, o que representa a mudança de uma alanina por valina, apresentam atividade diminuída da enzima MTHFR, folato reduzido e homocisteína aumentada no plasma. O alelo termolábil do gene MTHFR pode explicar a associação entre os níveis de homocisteína plasmática elevada e os DFTN pelo papel importante que a enzima MTHFR tem na remetilação da homocisteína e pode também, em parte, explicar a eficácia do ácido fólico na prevenção destes defeitos pelo fato de compensar o bloqueio enzimático parcial. Esta mutação, considerada uma alteração molecular polimórfica, mostrou freqüências distintas em diversas populações estudadas. Assim, a investigação deste marcador molecular é desejável tanto no sentido de se poder determinar o comportamento desta mutação na população brasileira, constituída de tantos subgrupos raciais, como na possibilidade de se originar dados para a prevenção dos DFTN. (AU)