Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo das alterações hematológicas e dos perfis funcionais hepático e renal induzidas por methotrexate em cães (canis familiaris)

Processo: 98/05157-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 1998 - 30 de abril de 2000
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Áureo Evangelista Santana
Beneficiário:Áureo Evangelista Santana
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Cães 

Resumo

Methotrexate, descoberto em 1948 por Farber, é o antagonista mais importante do ácido fólico, inibindo a enzima de diidrofolatoredutase que facilita a transformação do ácido diidrofólico em tetraidrofólico, evitando deste modo a posterior síntese de DNA. Seu mecanismo de ação é específico da fase S do ciclo celular, através da inibição da síntese de timidina e purina. Como a maioria dos agentes anti-neoplásicos o MTX possui baixos índices terapêuticos, isto quer dizer que segue os princípios cinéticos de primeira ordem, ou seja, as frações de células mortas, bem como a toxicidade são diretamente proporcionais a dose utilizada. A toxicidade é dirigida aos tecidos cujas células se dividem rapidamente (tecido epitelial, trato gastrointestinal e medula óssea). Constitui o objetivo de o presente trabalho avaliar os efeitos hepatotóxicos, nefro tóxicos e hematotóxicos do MTX em caninos machos e fêmeas clinicamente sadios submetidos a diferentes níveis de dosagem da referida droga. Dezesseis animais serão divididos em 4 grupos iguais (4 animais/grupo), sendo que os animais do grupo I serão tratados individualmente com 5 ml de solução salina a 0,9%, por via intravenosa, com intervalos de 7 dias, durante 5 semanas. Os cães do grupo II, III e IV receberão 5 aplicações de MTX, por via intravenosa, com intervalo de 7 dias entre as aplicações, nas dose de 5 mg/m², 250 mg/m² e 1 g/m² respectivamente. Para a avaliação clínico-laboratorial serão realizados periodicamente exames hematimétricos e bioquímicos séricos durante todo o protocolo experimental e será prolongado por mais 30 dias após suspensão do uso da droga. (AU)