Busca avançada
Ano de início
Entree

Metabolismo hepático de lípides na vigência da caquexia associada ao câncer: papel da melatonina

Processo: 02/06171-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2002 - 31 de janeiro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Marilia Cerqueira Leite Seelaender
Beneficiário:Marilia Cerqueira Leite Seelaender
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neoplasias  Fígado  Caquexia  Melatonina  Metabolismo dos lipídeos 

Resumo

A síndrome da caquexia associada ao câncer envolve, entre outros sintomas, distúrbios no metabolismo intermediário de proteínas, carboidratos e lipídios. O fígado é um órgão nobre, administrador das inúmeras variações no suprimento energético do organismo, além de servir como reservatório de sangue, centro de defesa e ainda controlar em grande parte o sistema endócrino (DESMET, 1994). Na vigência da caquexia associada à progressão do tumor de Walker 256 há alteração na capacidade do órgão em oxidar ácido graxos e sintetizar corpos cetônicos, agravando o estado de depleção generalizada. A melatonina, o principal hormônio secretado pela glândula pineal é um importante marcador da ritmicidade em todas as espécies estudadas. Em função de seu papel de mediador entre os fenômenos cíclicos ambientais e os processos fisiológicos, a melatonina está envolvida na modulação de diversas funções fundamentais para a sobrevivência do indivíduo e da espécie, como a regulação dos ciclos de atividade-repouso, sono-vigília, regulação cardiovascular, reprodução, do sistema imunológico, regulação metabólica e endócrina. Em estudos anteriores verificamos que o tratamento crônico com esse hormônio aumenta a sobrevida de ratos portadores do tumor de Walker-256. Baseados nessas informações resolvemos verificar o efeito da pinealectomia nas marcadas alterações metabólicas causados pela presença do tumor de Walker-256 no metabolismo lipídico do fígado. (AU)