Busca avançada
Ano de início
Entree

Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1870 e 1930

Processo: 01/05017-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de janeiro de 2002 - 30 de junho de 2006
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Sidney Chalhoub
Beneficiário:Sidney Chalhoub
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesquisadores principais:Claudio Henrique de Moraes Batalha ; Maria Clementina Pereira Cunha
Bolsa(s) vinculada(s):05/54379-4 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
05/54380-2 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
05/54381-9 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
+ mais bolsas vinculadas 05/54382-5 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
04/12705-0 - Raparigas pelas ruas de Santana: cotidiano e policiamento de mulheres trabalhadoras (Rio de Janeiro 1905-1925), BP.MS
04/06088-8 - Trabalhadores e detentos: o mundo do trabalho urbano e a casa de detenção do Rio de Janeiro (1860-1880), BP.IC
04/06716-9 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e no Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
04/06717-5 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
04/06944-1 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
03/00983-2 - Lugares de encontro: associações e espaços de sociabilidade no Bexiga (1880-1920), BP.DR
03/12404-7 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1870 e 1930, BP.TT
03/07467-0 - Cocheiros e carroceiros: identidades e conflitos inter-etnicos em São Paulo na segunda metade do Século XIX, BP.PD
03/04155-7 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro, entre 1850 e 1930, BP.TT
03/05864-1 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
03/05865-8 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
03/05866-4 - Santana e Bexiga: cotidiano e cultura de trabalhadores urbanos em São Paulo e Rio de Janeiro entre 1850 e 1930, BP.TT
02/11676-0 - A (des)invenção da mulata: cotidiano e experiência de mulheres negras na freguesia de Santana - Rio de Janeiro, 1890-1910, BP.MS
02/12113-0 - E quem não era homem de cor? Espaços de sociabilidades negras em São Paulo no início do século XX, BP.MS
02/13271-8 - Quiosques, botecos e casas de pasto: interação cultural no Rio de Janeiro do governo Pereira passos, BP.IC
02/10820-0 - Raparigas e meganhas no campo de Santana: elementos para uma história social da prostituição no Rio de Janeiro (1910-1915), BP.IC
02/06625-8 - O governo do trabalho: esfera pública e culturas políticas em São Paulo no Século XIX, BP.PD
02/03585-5 - As imagens e o cotidiano das mulatas da Pequena África, Rio de Janeiro, anos de 1920, BP.IC - menos bolsas vinculadas
Assunto(s):Cidades  Trabalhadores  Socialização  Grupos étnicos  Diversidade cultural  Rio de Janeiro (RJ)  São Paulo (SP) 

Resumo

O presente projeto congrega um conjunto de pesquisas individuais em desenvolvimento no Cecult lFCH-Unicamp em tomo da experiência dos trabalhadores pobres nas duas principais cidades brasileiras. Parte-se da intenção de problematizar alguns cânones bibliográficos, ainda hoje repostos na historiografia sobre o período. Em primeiro lugar, a idéia de que o final da escravidão resultou na formação de uma classe operária branca, imigrante e atuante politicamente. Os ex-escravos e seus descendentes estariam excluídos da história, subsumidos por uma nova realidade intrinsecamente diferente da anterior. Em segundo lugar, o quase consenso de que a formação das duas maiores cidades do País, São Paulo e Rio de Janeiro, consagrariam duas possibilidades opostas na configuração da experiência dos trabalhadores nas primeiras décadas do século XX: na primeira, tomaria forma uma classe operária combativa e disciplinada; na segunda, trabalhadores mais propensos ao consenso, ao compromisso com as autoridades e os patrões, menos engajados na luta de classes. O projeto busca também explorar as conexões entre duas importantes tradições historiográficas da História brasileira: a tradição concedente ao estudo da experiência dos trabalhadores no Brasil, amplamente inspirada nos trabalhos seminais de E. P. Thompson e outros historiadores sociais marxistas e aquela relativa ao tema da escravidão, da história dos trabalhadores escravos e de seus descendentes. Ao longo das duas últimas décadas a história da escravidão no Brasil vem sendo reescrita por meio de importantes estudos que aprofundam nossa compreensão sobre a experiência escrava, alterando de maneira substancial visões tradicionais sobre as relações entre senhores e escravos. No entanto, essas duas tradições permaneceram relativamente apartadas entre si. Um dos nossos objetivos é, assim, estabelecer relações entre elas para promover discussões e trocas entre os estudiosos e rever a experiência dos trabalhadores no período em estudo. O projeto cobre o período compreendido entre os anos de 1870 e 1930. Em 1870, a Lei do Ventre Livre assinala uma profunda crise no sistema de dominação senhorial. Por sua vez, 1930 testemunha o advento de novas relações de trabalho mediadas pelo estado. Durante este período, a composição das classes trabalhadoras sofreu mudanças significativas e a experiência dos trabalhadores como membros de uma classe, adquiriu novos sentidos. O estudo estará focalizado em dois importantes bairros de trabalhadores urbanos, Santana, no Rio de Janeiro e Bexiga, em São Paulo, áreas amplamente conhecidas por sua diversidade étnica e cultural. Embora a região de Santana tenha sido batizada por um velho sambista como a "pequena África", estava longe de ser um espaço exclusivamente negro. Abrigou também imensos contingentes de Portugueses, Italianos, Espanhóis, Judeus e outras nacionalidades vindas com a imigração. De forma similar, o Bexiga, considerado hoje como um bairro italiano, foi habitado por grupos negros responsáveis por alguns de seus traços culturais mais expressivos. O microcosmo culturalmente diversificado apresentado por esses bairros oferece ao historiador uma oportunidade ímpar para estudar as estratégias sociais e as práticas culturais da classe trabalhadora na virada do século... (AU)