Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do opioide remifentanil sobre a atividade arritmogenica da epinefrina em caes anestesiados pelo halotano.

Resumo

Existem inúmeras evidências de que os opióides podem reduzir a incidência de arritmias ventriculares (efeito antiarritmogênico). Este projeto de pesquisa objetiva avaliar se o opióide remifentanil possui a capacidade de inibir as arritmias ventriculares induzidas pela epinefrina em cães anestesiados pelo halotano. O presente estudo empregará a metodologia de determinação da dose arritmogênica da epinefrina (DAE). Baseado nesta metodologia, um fármaco é considerado anti-arritmogênico (efeito protetor do miocárdio) caso este resulte em elevação da DAE em relação a um controle. Serão empregados 8 cães sadios, submetidos a 2 tratamentos em blocos completamente aleatorizados, com um intervalo mínimo de 7 dias entre cada procedimento. A anestesia será induzida através de máscara facial e mantida com halotano (1,2% halotano expirado) em ambos os tratamentos. No tratamento controle (halotano), será determinada a dose arritmogênica da epinefrina (DAE), de acordo com o método previamente descrito, onde a epinefrina é administrada em velocidades de infusão crescentes até a observação do critério de arritmia ventricular (ao menos 4 contrações ventriculares prematuras num intervalo de 15 segundos). No tratamento experimental, além da repetição do mesmo protocolo anterior, será realizada a infusão de remifentanil (9 ug/kg/min) durante a determinação da DAE. Os valores de freqüência cardíaca (FC), pressão arterial invasiva, e produto de freqüência e pressão (PFP = pressão arterial sistólica X FC) serão anotados antes da infusão de epinefrina onde se observou a DAE (Ti) e no momento de observação da DAE (T2). Os valores de DAE serão comparados através de um teste t de student para amostras pareadas. Os valores de FC, pressão arterial e PFP obtidos nos diferentes tempos dentro de cada tratamento e nos diferentes tratamentos para um mesmo tempo serão comparados através de análise 2 de variância (ANOVA), seguida pelo test de Dunnet. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio: