Busca avançada
Ano de início
Entree

Padronização do método para a avaliação in vitro da imunidade celular através de medidas de citocinas intracelulares após estimulação dos linfócitos T com candidina e PPD em pacientes com imunodeficiência primária

Processo: 04/04472-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2004 - 31 de agosto de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Beatriz Tavares Costa Carvalho
Beneficiário:Beatriz Tavares Costa Carvalho
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Imunodeficiências primárias  Antígenos  Candidina  Tuberculina  Linfócitos T  Citocinas  Resposta imune 

Resumo

As imunodeficiências constituem um grupo de doenças de reconhecimento cada vez maior dentro da prática médica. Diante de uma suspeita clínica de imunodeficiência, deve-se estabelecer uma hierarquia na solicitação dos exames levando em consideração o seu poder de detectar defeitos da resposta imune. A candidina e o PPD são antígenos comumente empregados nas provas para avaliar a imunidade celular por serem antígenos contra os quais a maioria da população está sensibilizada. A padronização de novos testes para avaliação da imunidade celular é importante de modo a se detectarem deficiências celulares e/ou combinadas ainda sub-diagnosticadas em nosso meio. Como parte de subprojeto I: Frequência e principais tipos de imunodeficiências primárias em crianças portadoras de infecções recorrentes e graves, manifestações alérgicas cutâneas e respiratórias e doenças do colágeno, do projeto temático: Imunodeficiências primárias em populações pediátricas de risco: relações entre manifestações clínicas e alterações genéticas (FAPESP 02/05880-4), pretendemos padronizar um método para a avaliação in vitro da imunidade celular através de medidas de citocinas intracelulares após estimulação dos linfócitos T com candidina e PPD em pacientes com imunodeficiência primária. Após a padronização do método, este será aplicado e avaliado em crianças saudáveis (n=10), adultos saudáveis (n=10) e crianças portadoras de imunodeficiência primária (n=10). (AU)