Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da altura do remanescente coronário, do tipo de retenção intra-radicular e do tipo de coroa total na resistência e modo de fratura de raízes bovinas restauradas e submetidas aos ensaios de ciclagem térmica e mecânica

Resumo

O objetivo deste estudo será avaliar a resistência à fratura de raízes tratadas endodonticamente e restauradas variando-se as retenções intrarradiculares, a altura do remanescente coronário e o tipo de material da coroa total. Cento e sessenta raízes bovinas com dimensões padronizadas serão divididas aleatoriamente em 16 grupos experimentais (n=10): GI- Pino de fibra de vidro (FV) + 0 mm de remanescente + coroa em resina composta laboratorial (CRCL); G2- FV + 2 mm + CRCL; G3- FV + 0 mm + coroa em cerâmica prensada (CCP); G4- FV + 2 mm + CCP; G5- Pinos de fibra de vidro reembasado (FVR) + 0 mm + CRCL; G6- FVR + 2 mm + CRCL; G7- FVR + 0 mm + CCP; G8- FVR + 2 mm + CCP; G9- Pinos indiretos com sistemas de fibras e resina composta (PI) + 0 mm + CRCL; G10- PI + 2 mm + CRCL; G11- PI + 0 mm + CCP; G12- PI + 2 mm + CCP; G13- Resina composta (RC) + 0 mm + CRCL; G14- RC + 2 mm + CRCL; G15- RC + 0 mm + CCP; G16- RC + 2 mm + CCP. Simular-se-á-se o ligamento periodontal e as amostras serão submetidas à 5.000 ciclos térmicos (5° e 55°C/60s/banho) e 100.000.000 de ciclos de carga (80N). Posteriormente, receberão carregamento tangencial em máquina de ensaio universal (135°/0,5 mm/min). Os resultados serão tabulados e analisados estatisticamente de acordo com sua distribuição. Ainda, avaliar-se-á o padrão de fratura das amostras. (AU)