Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de marcadores indiretos de perfusão tecidual em modelos de hipóxia tecidual

Processo: 05/03459-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2005 - 30 de novembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Eliezer Silva
Beneficiário:Eliezer Silva
Instituição-sede: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Unidades de terapia intensiva  Insuficiência de múltiplos órgãos  Microcirculação 

Resumo

A principal causa de morte em Unidades de Terapia Intensiva, independentemente do evento inicial, e a Síndrome da Disfunção de Múltiplos Órgãos. Esta síndrome é o resultado de um processo fisiopatológico complexo, envolvendo hipóxia tecidual e resposta inflamatória sistêmica. Hipóxia tecidual em pacientes gravemente enfermos advém de três grandes mecanismos: queda do débito cardíaco, queda do conteúdo de oxigênio (seja por queda da hemoglobina ou por queda na oxigenação tecidual) e disfunção mitocondrial. Vários marcadores indiretos de oxigenação tecidual são utilizados, à beira do leito, para diagnosticar hipóxia tecidual, bem como para direcionar a ressuscitação destes pacientes. Entre os mais utilizados destacam-se lactato sérico, saturação venosa mista de oxigênio e gradientes arterio-venosos de oxigênio ou de CO2. Todos estes parâmetros sofrem grandes limitações quando avaliados individualmente. O presente estudo testará a hipótese que a análise combinada do lactato sérico, saturação venosa de oxigênio e gradiente veno-arterial de CO2 pode indicar, de forma mais adequada, o início da hipóxia tecidual; para marcar o início da hipóxia tecidual utilizar-se-á tanto PO2 tecidual quanto medida direta do ATP tecidual. Trinta porcos serão monitorados com cateterização da aorta torácica e com cateter de artéria pulmonar. Após esplenectomia, será cateterizada a veia porta e posicionado transdutores de fluxo ao redor das veias porta e renal. Adicionalmente, uma sonda de tonometria será inserida no jejuno. O lactato e as variáveis de oxigenação serão obtidos a partir de amostras de sangue arterial, venoso misto e porta. Por fim, micro-eletrodos (mensuração da PO2 e ATP) serão posicionados na musculatura esquelética e na mucosa jejunal. Os animais serão divididos em 4 grupos: Sham (n=3): apenas procedimentos; Hipóxia estagnante, n=9: tamponamento cardíaco progressivo; Hipóxia anêmica, n=9: hemodiluição progressiva (até Hb em torno de 3 g/dL); Hipóxia hipóxica, n=9: animais ventilando com frações inspiradas de oxigênio inferiores a 21%. Todos os animais, exceto o grupo Sham, receberão Ringer lactato 5 ml/kg/h, durante todo o experimento, através de infusão endovenosa. O tempo total do experimento será de 120 minutos. Posteriormente, os animais serão observados por 30 min e, então, sacrificados. (AU)