Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de transmissão de microorganismos patogênicos presentes em Musca domestica para queijo minas frescal

Processo: 05/50838-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2005 - 31 de março de 2008
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:Elza Teresinha Grael Marasca
Beneficiário:Elza Teresinha Grael Marasca
Instituição-sede: Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):06/50722-9 - Avaliacao de "musca domestica" como vetor mecanico de microorganismos patogenicos em queijo minas frescal., BP.TT
05/57763-0 - Avaliacao da musca domestica como vetor mecanico e microrganismos patogenicos em queijo minas frescal., BP.TT
Assunto(s):Musca domestica  Queijo minas frescal 

Resumo

As moscas são responsáveis pela transmissão de doenças de origem alimentar ao atuarem como vetores mecânicos de microrganismos patogênicos, como Shigella sp, Salmonella Enteriditis, Escherichia coli O157:H7, Campylobacter jejuni desde o reservatório até os alimentos. Os produtos lácteos, principalmente os de origem da produção artesanal produzidos quase sempre em condições inadequadas de higiene, são os mais susceptíveis a estes tipos de vetores, apresentando sérios riscos à saúde do consumidor. A contagem total de microrganismos mesófilos e de coliformes totais e fecais e a presença de microrganismos patogênicos em população de moscas domésticas e o potencial de transmissão dos mesmos para os produtos processados serão estudados neste trabalho. Inicialmente, o potencial de transmissão de microrganismos será determinado por contato e adição de homogeneizado de moscas em amostras de queijo Minas ultrafiltrado comercial. A seguir, será verificada a presença de Salmonella sp., Staphylococcus aureus, Listeria monocytogenes, Escherichia coli, comumente associados aos produtos lácteos, em uma porção de moscas domésticas e em amostras de matéria-prima e de produto final colhidas de uma área de produção artesanal de queijo Minas Frescal. Finalmente, o potencial de transmissão de microrganismos patogênicos será avaliado na fabricação piloto de queijo Minas Frescal pela adição de um homogeneizado de moscas na massa antes da etapa de enformagem do queijo. Além de estabelecer uma correlação entre os materiais estranhos (Musca domestica) e a presença de microrganismos patogênicos no queijo Minas Frescal, os resultados deste estudo contribuirão para o avanço científico da área de microscopia, dando subsídios à elaboração de guias práticos e contribuir com a base de dados de avaliação de matérias prejudiciais à saúde humana provenientes de vetores mecânicos, que são ainda escassos. (AU)