Busca avançada
Ano de início
Entree

Aplicações da microextração em fase líquida (LPME) na análise enantiosseletiva de fármacos e metabólitos em materiais biológicos

Processo: 06/00418-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2006 - 31 de julho de 2008
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Pierina Sueli Bonato
Beneficiário:Pierina Sueli Bonato
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Metabólitos  Eletroforese capilar  Fármacos  Métodos analíticos de preparação de amostras  Métodos de análise 

Resumo

A necessidade de técnicas adequadas de preparação de amostras para análise de fármacos e seus metabólitos em matrizes biológicas complexas levaram a um crescente interesse no desenvolvimento de novas técnicas de microextração altamente seletivas, baseadas no consumo mínimo de solventes orgânicos. Aliado a esses avanços, o emprego de modernas e eficientes tecnologias analíticas, como a eletroforese capilar (CE) e a cromatografia líquida de alta eficiência acoplada à espectrometria de massa (LC-MS-MS), tem resultado em um considerável avanço em qualidade nas metodologias analíticas disponíveis para bioanálises. Dentro desse cenário, destaca-se a utilização dessas técnicas para o desenvolvimento de metodologias enantiosseletivas, permitindo quantificar os enantiômeros de fármacos administrados como racematos. Sendo assim, estamos propondo o desenvolvimento e a validação de metodologias enantiosseletivas para a análise dos enantiômeros da mirtazapina, hidroxicloroquina, mefloquina e oxibutinina e de seus principais metabólitos em plasma, urina ou frações microssomais de fígados de rato e camundongos, utilizando a CE com seletores quirais e a LC-MS-MS com fases estacionárias quirais. Para a preparação das amostras será empregada a microextração em fase líquida (LPME). Por último, esses métodos serão utilizados em estudos de disposição cinética em voluntários sadios (hidroxicloroquina e mirtazapina) ou ratos (mefloquina) e em estudo in vitro de metabolismo (oxibutinina). (AU)