Busca avançada
Ano de início
Entree

Sindrome de marfan: fibrilinopatia ou defeito de receptor de tgf-b? avaliacao da heterogeneidade genetica.

Resumo

A SMF (MIM = 154700) é uma doença do tecido conjuntivo de herança autossômica dominante e prevalência de 1/10.000 indivíduos. Suas principais manifestações clínicas concentram-se em três sistemas: esquelético; cardiovascular; e ocular, porém apresentam grande variabilidade clínica tanto inter quanto intrafamiliar. Mutações no gene FBN1 (15q21), que codifica a proteína fibrilina, principal componente estrutural das microfibras, causam a SMF. Treze anos após a identificação deste gene, estudos em humanos e em modelos animais levantaram novas questões sobre a patogênese da SMF, incluindo heterogeneidade genética da síndrome e o papel da quantidade de fibrilinas normais na modulação dos fenótipos. Além disso, a identificação de um novo mecanismo de patogênese relacionado a alterações quantitativas da fibrilina-1 levou ao desenvolvimento de uma nova estratégia terapêutica com sucesso em modelos animais. Este projeto pretende avaliar a extensão da heterogeneidade genética da SMF em pacientes brasileiros através de estudo de segregação em casos familiais e detecção de mutações em casos isolados. A identificação de dois grupos distintos de pacientes com SMF será importante para a determinação do manejamento clínico ideal de acordo com o defeito molecular presente. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)