Busca avançada
Ano de início
Entree

Associação do polimorfismo do gene da proteína catiônica eosinofílica com a eosinofilia tecidual associada aos tumores em carcinomas espinocelulares de boca

Processo: 06/03830-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2007 - 31 de dezembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Denise Tostes Oliveira
Beneficiário:Denise Tostes Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Patologia bucal  Neoplasias bucais  Carcinoma de células escamosas  Proteína catiônica de eosinófilo  Polimorfismo genético 

Resumo

A proteína catiônica eosinofílica (ECP), presente nos grânulos específicos dos eosinófilos, tem despertado interesse dos pesquisadores por sua atividade citotóxica, particularmente para células tumorais. A função exata dos eosinófilos nas neoplasias malignas sólidas, como nos carcinomas espinocelulares (CEC), continua sendo um enigma. O objetivo deste trabalho consiste em investigar a prevalência do polimorfismo 434(G>C) do ECP nos pacientes com CEC bucal, correlacionando-o com a eosinofilia tecidual associada aos tumores (TATE) e com a evolução clínica destas neoplasias. A população de estudo será constituída por pacientes submetidos a tratamento, para CEC bucal, no Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Otorrinolaringologia do Centro de Tratamento e Pesquisa do Hospital do Câncer A.C. Camargo, Fundação Antônio Prudente, São Paulo, Brasil, entre 1994 a 1998. As amostras de CEC, obtidas do material incluído em parafina dos arquivos do Departamento de Anatomia Patológica do Hospital do Câncer A.C. Camargo, serão utilizadas para a determinação da TATE. Para a investigação do polimorfismo, o DNA será extraído a partir do sangue periférico e processado no Laboratório NeoGene do Departamento de Urologia da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (UNESP) e o genótipo 434 será detectado pela clivagem da seqüência específica de DNA amplificada com a enzima de restrição PstI e análise dos produtos de clivagem pela eletroforese em gel de agarose. A relação entre as variáveis clínicas e do polimorfismo com a TATE será calculada pelo teste qui-quadrado ou teste de Fisher. A sobrevida global e livre de doença será calculada pelo método Kaplan-Meier e a comparação das curvas de sobrevida serão realizadas utilizando-se o teste de log-rank. Nível de significância de 5% será adotado para todos os testes estatísticos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PEREIRA, MICHELE CONCEICAO; OLIVEIRA, DENISE TOSTES; KOWALSKI, LUIZ PAULO. The role of eosinophils and eosinophil cationic protein in oral cancer: A review. ARCHIVES OF ORAL BIOLOGY, v. 56, n. 4, p. 353-358, APR 2011. Citações Web of Science: 16.
PEREIRA, MICHELE C.; OLIVEIRA, DENISE T.; OLIVIERI, ELOISA H. R.; ROGATTO, SILVIA R.; CARVALHO, ANDRE L.; LANDMAN, GILLES; KOWALSKI, LUIZ P. The 434(G > C) polymorphism in the eosinophil cationic protein gene and its association with tissue eosinophilia in oral squamous cell carcinomas. JOURNAL OF ORAL PATHOLOGY & MEDICINE, v. 39, n. 1, p. 56-62, JAN 2010. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.