Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização isotópica molecular da matéria orgânica sedimentar do Embaiamento de São Paulo

Processo: 06/04445-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2007 - 31 de outubro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Michel Michaelovitch de Mahiques
Beneficiário:Michel Michaelovitch de Mahiques
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Sedimentologia  Margens continentais 

Resumo

No estudo dos processos sedimentares relacionados à dinâmica sedimentar, à produtividade, às variações no aporte continental, às mudanças climáticas e à interpretação de dinâmica de massas d'água, uma das ferramentas mais importantes constitui o estabelecimento de uma abordagem multiproxy, incluindo o conhecimento das características sedimentológicas e geoquímicas. A união de dados sedimentológicos e geoquímicos do atual permite a elaboração de modelos sedimentares bastante completos, que servem, posteriormente aos estudos de estratigrafia do Quaternário e de mudanças globais.Na última década, a obtenção de um conjunto de amostras de Box-corer, na margem continental superior do sul-sudeste, localizadas principalmente entre as isóbatas de 20 e 1000 metros, permitiu o estabelecimento de uma base amostral importante, como há décadas se não se tinha notícia na margem continental brasileira.A partir desse conjunto de amostras, foi possível, até o momento:Elaborar mapas de distribuição de sedimentos de fundo (Figueiredo & Tessler, 2004; Mahiques et al., 2004);Obter estimativas, ainda que muito puntualmente e com valores extremamente contraditórios, sobre taxas de sedimentação (Tessler, 2000; Mahiques et al., 2002);Reconhecer, localmente, o papel exercido pela Corrente do Brasil e pela produtividade biológica, no processo sedimentar (Mahiques et al., 2002; 2004; 2005);Identificar alguns marcadores isotópicos inorgânicos como “proxies” para o transporte sedimentar na plataforma (Mahiques et al., 2004; Figueira et al., 2006).Além desses, alguns outros trabalhos em desenvolvimento têm revelado aspectos particulares sobre o processo sedimentar atual e pretérito, tais como a paleoprodutividade e o retrabalhamento de sedimentos previamente depositados (Kinoshita et al., 2002).Entretanto, é importante destacar que, de maneira geral, a margem continental sul-sudeste do Brasil carece, ainda, de informações sistemáticas e que, a rigor, pouco avanço científico foi gerado após os resultados obtidos pelo projeto REMAC, na década de 1970. Além disso, a base amostral, citada acima, carece de distribuição sistemática e foi efetuada, muitas vezes, sem privilegiar a configuração morfológica da margem ou informações geológicas pré-existentes.Atualmente, talvez a maior dificuldade no estabelecimento de modelos evolutivos para o Quaternário superior, na margem continental seja, exatamente, a falta de conhecimento sobre quais as condições oceanográficas atuais que determinam a variabilidade espacial nos processos sedimentares e geoquímicos. Apenas com o estabelecimento de uma relação confiável, entre os processos oceanográficos e sedimentares-geoquímicos atuais é que será possível o reconhecimento da variabilidade temporal, tão importante para o conhecimento das oscilações paleoclimáticas e paleoceanográficas.O objetivo principal desse projeto é o estudo das características geoquímicas e sedimentológicas do fundo atual e sua relação com os processos oceanográficos atuantes na margem continental sul-sudeste do Brasil. (AU)