Busca avançada
Ano de início
Entree

Perfil familial da fluência da fala: estudo linguístico, acústico e eletromiográfico

Processo: 06/06026-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2007 - 31 de agosto de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Cláudia Regina Furquim de Andrade
Beneficiário:Cláudia Regina Furquim de Andrade
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Motricidade oral  Gagueira  Avaliação da linguagem  Fluência  Genomas  Eletromiografia 

Resumo

O estudo aqui apresentado é uma complementação daquele enviado ao CNPq (Edital Universal 470494/2004-2) tendo sido aprovado com duração para 2 anos (até 30/05/2007). Os estudos moleculares para gagueira indicam que alguns genes parecem ter um forte efeito no desenvolvimento da gagueira persistente. Embora o gene em si mesmo não tenha sido ainda identificado esses resultados iniciais do projeto genoma da gagueira demonstram que os fatores hereditários são suficientemente significantes para a transmissão do traço. O modelo teórico que baseia o estudo aqui apresentado hipotetiza que a gagueira emerge de uma interação complexa entre fatores genéticos; de processamento da linguagem; do controle motor da fala e de aspectos sócios emocionais. O objetivo geral do estudo tem como meta reconhecer o perfil familial da fluência da fala - aspectos linguístico, acústico e eletromiográfico - em dois grupos distintos de crianças, com e sem antecedentes de histórico familiar direto (pais e irmãos) para a gagueira. As hipóteses de estudo estão baseadas no paradigma que o antecedente genético direto implica em similaridade nos padrões de fluência da fala, atividade motora e aspectos vocais em todos os afetados de uma mesma família. Essas hipóteses estão baseadas no pressuposto que a atuação do gene seria refletida diretamente na sintomatologia manifesta da fala. Participarão do estudo 30 crianças (probando) e seus familiares próximos (pai, mãe e irmãos), sem distinção de raça e sexo, matriculados na rede pública de ensino de pré-escola e ciclo básico, residentes no município de São Paulo e Grande São Paulo, cujas famílias concordem, através de assinatura do termo de consentimento, na realização dos procedimentos propostos para realização da pesquisa. Os participantes do estudo serão divididos em dois grupos: O grupo de pesquisa (GI) será composto por 15 crianças com diagnóstico de gagueira e o grupo controle (GII) será composto por 15 crianças, pareadas ao grupo de pesquisa em relação à idade e sexo, parametradas como fluentes. Em ambos os grupos os participantes não deverão apresentar qualquer outro déficit comunicativo, neurológico e cognitivo associado. Os procedimentos de avaliação serão similares em ambos os grupos e aplicados em todos os probandos (GI e GII) e em seus familiares diretos - pai, mãe, irmão/a (s). A expectativa mínima é de realização de 90 baterias de testagem se considerados todos os probandos como filhos únicos. Serão coletadas: amostras de fala; resposta eletromiográfica e parâmetros acústicos vocais. Os dados serão submetidos à tratamento descritivo (desvio padrão e intervalo de confiança; distribuição de freqüência) e analítico (correlação e variância). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
JUSTE, FABIOLA STAROBOLE; RONDON, SILMARA; SASSI, FERNANDA CHIARION; RITTO, ANA PAULA; COLALTO, CLAUDIA APARECIDA; FURQUIM DE ANDRADE, CLAUDIA REGINA. Acoustic analyses of diadochokinesis in fluent and stuttering children. Clinics, v. 67, n. 5, p. 409-414, 2012. Citações Web of Science: 6.
CLAUDIA REGINA FURQUIM DE ANDRADE. Perfil familial da fluência da fala: estudo linguístico, acústico e eletromiográfico. Pró-Fono R. Atual. Cient., v. 22, n. 3, p. 169-174, Set. 2010.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.