Busca avançada
Ano de início
Entree

Busca de antioxidantes e antimicrobianos em espécies da tribo Gomphreneae

Processo: 06/06079-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2007 - 30 de junho de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacognosia
Pesquisador responsável:Marcos José Salvador
Beneficiário:Marcos José Salvador
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Extratos vegetais  Amaranthaceae  Doenças degenerativas  Compostos bioativos  Antioxidantes  Anti-infecciosos 

Resumo

Neste projeto, propõe-se a adequação de metodologia de ensaios para a avaliação da atividade antimicrobiana e antioxidante e o desenvolvimento de procedimentos analíticos, incluindo o estudo fitoquímico biomonitorado, visando a busca de potenciais substâncias bioativas em espécies vegetais da tribo Gomphreneae, família Amaranthaceae, do Cerrado, da Serra da Mantiqueira e da Mata Atlântica. O estudo fitoquímico das micromoléculas bioativas presentes nos extratos vegetais será monitorado pela atividade antimicrobiana (frente a bactérias, leveduras e dermatófitos) e antioxidante (ensaios ORACFL, Folin-Ciocalteu, B-caroteno e redução do radical DPPH). Para tanto, proceder-se-á a adequação de metodologia dos bioensaios e obter-se-á o perfil químico (CCDC, CG, CLAE ou RMN) dos extratos bioativos, podendo-se identificar algumas substâncias conhecidas diretamente nos extratos brutos (desreplicação). Os extratos bioativos com substâncias que não puderem ser identificadas na etapa de desreplicação serão submetidos ao fracionamento biomonitorado e para as substâncias isoladas e purificadas realizar-se-á a elucidação estrutural utilizando-se métodos espectroscópicos de análise (IV, UV, RMN e Massa). Assim, realizar-se-á o estudo com espécies vegetais de Amaranthaceae, tribo Gomphreneae para a prospecção de extratos e substâncias bioativos visando contribuir com a terapêutica e a quimioprevenção de doenças infecciosas e relacionadas com o estresse oxidativo (doenças degenerativas (doença de Alzheimer e de Parkinson), cardiovasculares, inflamatórias) e obter novas fontes de insumo para as indústrias farmacêutica, cosmética e alimentícia. (AU)