Busca avançada
Ano de início
Entree

Ruido em odontologia: interferencia na saude auditiva.

Processo: 07/01074-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2007 - 30 de junho de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Andréa Cintra Lopes
Beneficiário:Andréa Cintra Lopes
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):08/09338-6 - Saúde Auditiva em odontólogos e auxiliares, BP.TT
Assunto(s):Audiologia  Perda auditiva  Ruído  Audição  Saúde pública 

Resumo

Os profissionais da área da saúde estão expostos a vários riscos, entre eles: físicos, químicos, biológicos e psicológicos.Na pratica odontológica, o cirurgião está sujeito aos efeitos nocivos provocados por diversos agentes, entre eles o ruído provocado pelo motor de alta e baixa rotação, compressor, ar condicionado, amalgamador, sugador e outros. Os problemas mais relatados na literatura indicam que os problemas de saúde mais freqüentes são: dor muscular, dermatites, problemas oculares e problemas auditivos.A preocupação com medidas preventivas já é bastante antiga, a literatura relata que a American Dental Association, em 1959 recomendava avaliações audiométricas periódicas.Pesquisadores investigaram os níveis de ruído de turbinas e obtiveram níveis superiores de ruído a 80 dB em um terço dos registros de turbinas antigas em estado regular de conservação, também observaram também que a orelha esquerda dos dentistas são melhores que o orelha direita, presumivelmente devido a distancia da fonte sonora. sendo que o ruído da turbina o mais incomodo. A literatura também aponta que os dentistas correm o risco de perder a audição devido à prolongada exposição a sons intensos produzidos por instrumentos como brocas de alta velocidade e sistemas de ejeção. Entre outros instrumentos ruidosos estão as maquinas ultra-sônicas, cortadores de modelos, equipamentos de alta velocidade de sucção e vibração, entre outros. Ainda relatam que a distancia errônea que o dentista se posiciona do instrumento e a falta de lubrificantes nos equipamentos, que quando não usados elevam a intensidade sonora acima de 90 dB. Enfatiza que a melhor forma de prevenção seria o uso de equipamentos de proteção individual.Assim, faz-se necessário obter informações consistentes a respeito do comportamento desses limiares nesta população: cirurgiões dentistas, auxiliares e protéticos, uma vez que o ruído neste ambiente ocupacional trás efeitos negativos para a comunicação; assim como levantar os riscos ambientais que ameaçam a saúde a fim de implementar medidas de prevenção e tratamento.O objetivo deste estudo será investigar os limiares de audibilidade de cirurgiões dentistas, auxiliares e protéticos. Como objetivos específicos, temos:1.Investigar o nível de ruído dos instrumentos utilizados e do ambiente físico; assim como relacionar a intensidade x duração x distância da fonte sonora.2.Investigar os riscos químicos e biológicos no ambiente de trabalho; que podem potencializar os efeitos do ruído no sistema auditivo,3.Investigar condições de saúde e outras doenças que podem potencializar os efeitos dos riscos ambientais;4.Investigar a existência da mudança temporária do limiarEste levantamento é o passo inicial para a identificação e solução das potenciais ameaças à saúde destes profissionais. Em seguida, implementar o planejamento de assessoria para estes ambientes.Este estudo será realizado na Clínica de Fonoaudiologia do Departamento de Fonoaudiologia da FOB/USP após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa desta Faculdade.A casuística será constituída por diferentes grupos, sendo três grupos experimentais, sendo o (GI) formado por cirurgiões dentistas, (GII) formado por protéticos e (GIII) por auxiliares.Para todos os indivíduos serão aplicadas as seguintes provas:·Entrevista específica·Inspeção otológica clínica·Medidas de imitância acústica·Audiometria tonal convencional (250 a 8.000 Hz)·Logoaudiometria·Audiometria tonal de freqüências ultra-altas (9.000 a 16.000 Hz)·Emissões otoacústicas por transienteA entrevista específica será realizada para coleta de informações referentes à presença ou ausência de queixa auditiva, passado otológico e possíveis variáveis que possam interferir na análise dos resultados obtidos nas avaliações audiológicas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ANDRÉA CINTRA LOPES; ANA DOLORES PASSARELLI DE MELO; CIBELE CARMELO SANTOS. Estudo dos limiares de audibilidade nas altas frequências em trabalhadores da área odontológica. Int. Arch. Otorhinolaryngol., v. 16, n. 2, p. 226-231, Jun. 2012.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.