Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliar a branqueabilidade da polpa kraft por diferentes processos de branqueamentos

Processo: 07/53872-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2007 - 31 de agosto de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal
Pesquisador responsável:Gustavo Ventorim
Beneficiário:Gustavo Ventorim
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental de Itapeva. Itapeva , SP, Brasil
Assunto(s):Lignina 

Resumo

Antes da década de 90 o principal índice na determinação da reatividadade da polpa kraft era devido a lignina residual. Esta lignina possuía diferentes reatividades devidos aos seus grupos de hidroxilas fenólicas, hidroxilas alifáticas, carbonilas, carboxilas e ligações condensadas. Quanto mais elevado os teores de hidroxilas fenólicas, hidroxilas alifáticas e grupos carbonilas e carboxila presentes na estrutura da lignina mais reativa era a lignina residual com os reagentes de branqueamentos, enquanto que as ligações condensadas presente na estrutura da lignina diminuía a reatividade da mesma. No final da década de 90 o principal índice na determinação da reatividade da polpa kraft passou a ser os ácidos hexenurônicos. Segundo os autores VUORINEN et al. (1999) a presença dos ácidos hexenurônicos na polpa kraft consomem reagentes químicos de branqueamento, aumentando o custo de branqueamento. Mas segundo VENTORIM et al. (2007) quanto maior o teor dos ácidos hexenurônicos maior é a branqueabilidade da polpa kraft. A natureza da lignina é o fator primordial que afeta a demanda de produtos químicos no branqueamento de polpa kraft de eucalipto, sendo os ácidos hexenurônicos de pouca importância. Isso explica por que estágios quentes não afetam significativamente o consumo de produtos químicos de branqueamento, particularmente em caso de amostras de polpa de baixa branqueabilidade (COLODETTE et al., 2006). Nos casos em que estágios quentes têm mais efeito não é muito improvável que ligninas solúveis em ácido sejam removidas da polpa mediante hidrólise de ácido quente. Estudo com polpas kraft de Eucalyptus globulus também indicaram a pouca importância dos ácidos hexenurônicos no branqueamento ECF (DANIEL et al., 2003). Há uma tendência geral que o consumo de dióxido de cloro aumenta com o decréscimo do conteúdo de ácido hexenurônico na polpa kraft. Por que a lignina residual e os ácidos hexenurônicos afetam o número kappa, e sugere que quanto maior a relação "conteúdo de lignina residual/conteúdo dos ácidos hexenurônicos menor é a branqueabilidade da polpa kraft (DANIEL et al., 2003). Para dirimir qual é a influência dos grupos presente da lignina e dos ácidos hexenurônicos na branqueabilidade da polpa. Será avaliada a branqueabilidade da polpa kraft proveniente de um mesmo processo de polpação mas, com diferentes números kappa, utilizando diferentes processos de branqueamento. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GUSTAVO VENTORIM; JOSÉ CLÁUDIO CARASCHI; JORGE LUIZ COLODETTE; JOSÉ LÍVIO GOMIDE. A influência dos ácidos hexenurônicos no rendimento e na branqueabilidade da polpa kraft. Química Nova, v. 32, n. 2, p. -, 2009.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.