Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da hidroxiuréia no estado de hipercoagulabilidade da doença falciforme

Processo: 09/16488-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2010 - 31 de janeiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Fabíola Traina
Beneficiário:Fabíola Traina
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Hematologia  Anemia falciforme  Óxido nítrico  Tromboplastina  Trombose  Coagulação sanguínea  Hidroxiureia 

Resumo

A doença falciforme é caracterizada pela presença de crises vaso-oclusivas e hemólise intravascular com conseqüente depleção de óxido nítrico, disfunção e ativação endotelial. Praticamente todos os elementos da coagulação, incluindo o endotélio, os elementos celulares, o sistema anticoagulante e fibrinolítico estão alterados na direção pró-coagulante na doença falciforme, de forma que uma incidência aumentada de trombose tem sido descrita nesta doença. Possíveis fatores envolvidos no estado de hipercoagulabilidade na doença falciforme são: (1) o aumento da exposição de fosfatidilserina, que serve como ancoradouro para os fatores da coagulação, (2) o aumento da atividade pró-coagulante e da expressão do fator tecidual, o iniciador fisiológico da coagulação e (3) o aumento na expressão de micropartículas derivadas de diversas origens celulares. A principal droga atualmente disponível capaz de reduzir as complicações vaso-oclusivas e a hemólise intravascular é a hidroxiuréia. Este estudo tem como objetivo avaliar o efeito que a hidroxiuréia tem nos diversos componentes do balanço hemostático na doença falciforme, a saber: (1) expressão do fator tecidual; (2) geração final de trombina; e (3) ativação endotelial. Indivíduos sadios e doentes falciformes com e sem o uso de hidroxiuréia serão submetidos à dosagem de fator tecidual através de citometria de fluxo, PCR em tempo real e ELISA; a expressão de micropartículas em diferentes tipos celulares será avaliada através de citometria de fluxo; as avaliações do complexo trombina-antitrombina (TAT), fragmento 1+2 da protrombina (F1+2) e dímero D (DD) serão utilizados para mensurar a geração de trombina; a dosagem do trombomodulina e do fator de Von Willebrand serão utilizados para avaliação da ativação endotelial. (AU)