Busca avançada
Ano de início
Entree

Pesquisa de Leishmania chagasi e Trypanosoma cruzi em animais silvestres procedentes do Centro de Conservação da Fauna Silvestre de Ilha Solteira - SP

Processo: 09/09129-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2009 - 30 de setembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Simone Baldini Lucheis
Beneficiário:Simone Baldini Lucheis
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Zoonoses  Leishmaniose  Leishmania infantum  Doença de Chagas  Trypanosoma cruzi  Animais silvestres  Técnicas de diagnóstico animal 

Resumo

Os animais silvestres, tanto os de vida livre como os em cativeiro, podem ser reservatórios e portadores de zoonoses, tais como as leishmanioses visceral e cutânea, e a doença de Chagas. As leishmanioses são um grupo de doenças causadas por um protozoário pertencente à ordem Kinetoplastida, família Trypanosomatidae e gênero Leishmania. São zoonoses, que em geral apresentam clinicamente um caráter multifacetado e afetam o homem, além de várias espécies de animais silvestres e domésticos, nas mais diversas regiões do globo terrestre. No Brasil, os reservatórios da doença ainda não estão bem definidos. Vários animais silvestres, como raposas das espécies Lycalopex vetulus e Cerdocyon thous e marsupiais da espécie Didelphis albiventris têm sido encontrados naturalmente infectados pela Leishmania chagasi (L.chagasi), agente causador da leishmaniose visceral. A doença de Chagas, causada pelo Trypanosoma cruzi (T. cruzi), acomete o homem, bem como várias espécies de animais silvestres e domésticas, ocorrendo do sul dos Estados Unidos ao sul do continente. Assim como nas leishmanioses, as degradações ambientais e escassez de políticas sociais, associadas às migrações de populações rurais carentes para as periferias urbanas de forma desordenada e sem estrutura sanitária, associado à presença de reservatórios, propiciaram a transformação da doença de rural para domiciliar e peridomiciliar. Tendo em vista a importância da leishmaniose visceral e da doença de Chagas como zoonoses importantes em saúde pública, propusemo-nos estudar a ocorrência de L. chagasi e T. cruzi em animais silvestres provenientes do Centro de Conservação da Fauna Silvestre, município de Ilha Solteira (SP), assim como contribuir para o diagnóstico seguro dessas importantes zoonoses, associando-se as provas dignósticas da hemocultura em meio Liver Infusion Tryptose (LIT), sorologia pela técnica de ELISA por competição (C-ELISA) e a prova de Reação em Cadeia pela Polimerase (PCR) para L. chagasi e T.cruzi, a partir de amostras de sangue de 33 animais silvestres, de diferentes espécies, mantidos em cativeiro e de animais de vida livre, considerados reservatórios importantes de leishmanias e tripanossomatídeos, possibilitando a identificação dos animais realmente infectados e o verdadeiro papel destes no ciclo epidemiológico da leishmaniose e doença de Chagas. (AU)