Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do implante autólogo de plasma rico em plaquetas (PRP) e células-tronco mesenquimais na reparação de lesões condrais articulares induzidas experimentalmente em equinos

Processo: 09/06059-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Marcos Jun Watanabe
Beneficiário:Marcos Jun Watanabe
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Osteoartrite  Ferimentos e lesões  Artroscopia  Cartilagem  Equinos 

Resumo

Os eqüinos são cada vez mais exigidos em seu desempenho atlético, resultando desta forma, em intenso estresse às estruturas que compõem o aparelho locomotor. Com relação às articulações, os traumas freqüentes decorrentes da atividade física de alta performance implicam em lesões na cartilagem articular e conseqüente desenvolvimento de osteoartrite. Assim, o objetivo da presente pesquisa será avaliar por meio de exames clínicos, laboratoriais e artroscópicos, o efeito da aplicação de células-tronco mesenquimais e do plasma rico em plaquetas sobre defeitos de cartilagem produzidos experimentalmente na articulação femoro-tibial de eqüinos. Serão utilizados oito eqüinos adultos, machos e fêmeas, selecionados por exames físicos, laboratoriais e radiográficos. As articulações femorotibiais de ambos os membros posteriores, dos oito eqüinos, formarão quatro grupos, que receberão: implante autólogo de células tronco mesenquimais de tecido adiposo (G1), implante autólogo do plasma rico em plaquetas (G2), associação do implante autólogo de células tronco mesenquimais de tecido adiposo com o do plasma rico em plaquetas (G3) e apenas solução fisiológica (G4). As articulações femorotibiais dos grupos serão abordadas pela cirurgia artroscópica para a indução de uma lesão condral articular, considerada como tempo zero do experimento (T-0). A partir do 30º dia após a realização do defeito na cartilagem (T-30), os animais receberão os tratamentos conforme o grupo experimental. Os parâmetros clínicos e laboratoriais dos grupos serão analisados em T-0, e depois 15, 30, 45, 60, 75, 90, 120 e 150 dias após a indução das lesões condrais. A análise macroscópica da articulação por artroscopia e a coleta de cartilagem para análise histopatológica e imunoistoquímica será realizada no início e ao final do experimento (T-0 e aos 150 dias). Os dados serão analisados pelo software estatístico SISVAR e quando houver significância em nível de 5% (P<0,05) será realizado o Teste de Tukey (P<0,05) para comparações das médias. (AU)