Busca avançada
Ano de início
Entree

Segurança do paciente: clima organizacional e atitudes de segurança na perspectiva da equipe de saúde

Processo: 09/16231-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2010 - 31 de agosto de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Médico-cirúrgica
Pesquisador responsável:Silvia Helena de Bortoli Cassiani
Beneficiário:Silvia Helena de Bortoli Cassiani
Instituição-sede: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):11/12465-2 - Segurança do paciente: clima organizacional e atitudes de segurança na perspectiva da equipe de saúde, BP.TT
10/18506-0 - Segurança do paciente: clima organizacional e atitudes de segurança na perspectiva da equipe de saúde, BP.TT
10/07945-2 - Segurança do paciente: clima organizacional e atitudes de segurança na perspectiva da equipe de saúde, BP.TT
Assunto(s):Pacientes  Medidas de segurança  Infecção hospitalar 

Resumo

Estudos de avaliação de atitudes de segurança entre profissionais de saúde são crescente em todo o mundo. Entretanto, no Brasil, pesquisas nesta área ainda são incipientes . Os conhecimentos obtidos através de estudos de avaliação do clima de segurança, por meio da aplicação de instrumentos de medidas, possibilitam conhecer os domínios que precisam ser trabalhados com o objetivo de favorecer a implementação de medidas para melhorar o clima de segurança nas instituições de saúde. A importância da avaliação do clima de segurança está na associação que existe entre o clima de segurança da instituição e indicadores positivos de qualidade, tais como: diminuição do tempo de internamento do paciente, diminuição dos eventos adversos com medicamentos, diminuição número de úlcera de pressão e diminuição das taxas de infecção hospitalar. Desta forma o presente estudo tem como objetivos: traduzir, validar e aplicar Safety Attitudes Questionnaire (SAQ)- versão genérica para o português; avaliar as propriedades psicométricas da versão em português; adaptar o instrumento ao contexto dos hospitais brasileiros; aplicar o instrumento traduzido e validado em profissionais (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, técnicos e auxiliares de enfermagem e técnicos em radiologia e em laboratório) de quatro hospitais de três regiões do Brasil (Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste) e correlacionar os escores obtidos da escala com Indicadores de Segurança do Paciente (PSI). A utilização do instrumento e sua tradução foram autorizadas por seus autores. Trata-se de um estudo transversal, de caráter metodológico com abordagem quantitativa. O projeto será submetido a avaliação do Comitê de Ética de cada instituição. Após a avaliação do Comitê de Ética o projeto será desenvolvido em duas fases: a primeira consiste na tradução e validação da escala e a segunda fase consiste na aplicação da escala adaptada para o contexto dos hospitais brasileiros. A adaptação transcultural da escala seguirá a proposta metodológica de Beaton et al. (2002) que compreende as seguintes etapas: 1. tradução, 2. síntese, 3. tradução de volta a língua de origem (retrotradução), 4. revisão por um comitê de juízes, 5. pré-teste, 6. submissão e valiação dos relatórios pelos autores do instrumento ou por comitê de responsáveis. Na segunda etapa da pesquisa,será a aplicação da escala aos profissionais que trabalham nos cinco hospitais. Os dados serão inseridos no banco de dados eletrônico Access da Microsoft®, para posterior processamento e análise. O processamento dos dados será realizado pelo software Statistical Package for Social Science (SPSS), versão 15.0. Para a análise de confiabilidade, após a validação do instrumento será calculado o alfa de Conbrach para a escala como um todo e para cada domínio. Os escores obtidos serão comparados com indicadores de Segurança do Paciente (PSI), tais como úlcera de decúbito, tempo de permanência do paciente na unidade. Com o término deste estudo, teremos o primeiro instrumento traduzido e validado para o português que avalie atitudes e percepções de segurança entre os profissionais de saúde. Após os resultados obtidos com a aplicação da escala, almejamos traçar medidas para melhorar o clima de segurança nas instituições de saúde estudadas. Vale destacar que esse projeto obteve auxilio da Organização Mundial de Saúde - OMS, através do auxilio de Small Grant Research da Aliança Mundial para a Segurança do Paciente. (AU)