Busca avançada
Ano de início
Entree

Especiação química de selênio e mercúrio em amostras biológicas para estudos de avaliação toxicológica e/ou nutricional humana

Processo: 09/11102-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2009 - 30 de setembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Analítica
Pesquisador responsável:Fernando Barbosa Júnior
Beneficiário:Fernando Barbosa Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Espectrometria de massas  Elementos-traço  Especiação química 

Resumo

Nos últimos anos a especiação química de metais tornou-se imprescindível nos estudos que envolvem toxicologia de metais e/ou nutrição humana, pois os efeitos tóxicos e/ou benéficos dos elementos estão diretamente relacionados às formas químicas nas quais se encontram nos seres vivos, nos alimentos e/ou no ambiente. Na especiação química, são empregadas técnicas de separação (geralmente técnicas cromatográficas, como a cromatografia gasosa(GC), a cromatografia líquida (LC), a cromatografia com fluído supercrítico ou eletroforese) acopladas à técnicas de detecção de alta sensibilidade, como a espectrometria de fluorescência atômica (AFS) e a espectrometria de massa com fonte de plasma acoplado indutivamente (ICP-MS), sendo que atualmente esta última tem sido a técnica de escolha para a determinação de elementos em diversos tipos de amostras em concentrações num intervalo de ng L-1 a µg L-1. A versatilidade da ICP-MS em termos de especificidade e sensibilidade a torna idealmente apropriada para o uso como detector cromatográfico. As principais vantagens desta sobre outros possíveis métodos de detecção, incluem o amplo intervalo dinâmico linear, alta velocidade de análise, capacidade multielementar, espectro simples e habilidade para análises isotópicas. Este projeto tem como proposta diferenciar as espécies químicas de selênio (selenocisteína, selenometionina, selenito, selenato, selenoproteína P) e mercúrio (metilmercúrio, mercúrio inorgânico e etilmercúrio) presentes em amostras clínicas (sangue e plasma) utilizando técnicas hifenadas de cromatografia líquida e espectrometria de massa com fonte de plasma acoplado indutivamente (LC-ICP-MS). Para tal, serão desenvolvidos novos métodos que possam simplificar a especiação química desses elementos. Pretende-se também, estabelecer a relação entre esses dois elementos visando à compreensão da ação do selênio numa possível redução dos efeitos tóxicos do mercúrio em seres humanos. Neste sentido, espera-se que as informações obtidas possam colaborar no esclarecimento de como esses elementos exercem os efeitos tóxicos e/ou benéficos a indivíduos expostos ou não.Para a validação dos métodos serão analisados amostras enriquecidas com isótopos estáveis de Se (77Se e 82Se), análise de materiais certificados contendo mercúrio, bem como comparação interlaboratorial. Finalmente, espera-se colaborar em estudos interdisciplinares em projetos vigentes (CNPq 578605/2008-2) na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto e com grupos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, visando à identificação de fontes de potencial toxicidade e possível comprometimento da saúde pública em nosso país. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GROTTO, DENISE; VALENTINI, JULIANA; SERPELONI, JULIANA MARA; PONTE MONTEIRO, PATRICIA ALVES; LATORRACA, ELDER FRANCISCO; DE OLIVEIRA, RICARDO SANTOS; GREGGI ANTUNES, LUSANIA MARIA; GARCIA, SOLANGE CRISTINA; BARBOSA, JR., FERNANDO. Evaluation of toxic effects of a diet containing fish contaminated with methylmercury in rats mimicking the exposure in the Amazon riverside population. Environmental Research, v. 111, n. 8, p. 1074-1082, NOV 2011. Citações Web of Science: 17.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.