Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial terapêutico e do perfil imunológico de triterpenos ácidos na fase crônica da infecção experimental por Trypanosoma Cruzi

Processo: 09/10545-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 30 de abril de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise e Controle de Medicamentos
Pesquisador responsável:Sérgio de Albuquerque
Beneficiário:Sérgio de Albuquerque
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Ácido oleanólico  Tratamento  Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR)  Ácido ursólico  Trypanosoma cruzi 

Resumo

A doença de Chagas é um problema de saúde publica, com dados preocupantes referentes ao numero de pessoas contaminadas e daquelas que ainda permanecem expostas ao risco de infecção. A dificuldade do combate a Trypanosoma cruzi, agente etiológico da doença, está intimamente relacionada às interações existentes entre o parasito e o hospedeiro, sendo que até o momento, nenhum medicamento ou substância tem demonstrado real eficácia ao combate ao parasito. Em estudos recentes realizados por nosso grupo de pesquisa, acido ursólico e oleanólico tem demonstrado um bom potencial tripanocida, alem de um efeito imunomodulatório, promovendo a inibição da produção de INF-³ quando de suas utilizações em elevadas concentrações. Considerando essas evidencias encontradas em relação a essas substâncias e os efeitos promovidos no processo de avaliação biológica, nossa proposta de trabalho e avaliar o potencial terapêutico dos triterpenos acido ursólico e acido oleanólico na fase crônica da infecção chagásica e suas associações ao benzonidazol, fármaco referência indicado ao tratamento da parasitose, com a quantificação parasitária por meio da técnica de reação de polimerase em cadeia em tempo real, avaliando paralelamente os efeitos imunomodulatórios dessas substâncias sobre as respostas Th1 e Th2 nessa fase da doença, verificando a possibilidade de geração de benefícios sobre a patogênese da doença. (AU)