Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação in vitro da expressão de distrofina em cardiomiócitos submetidos a diferentes estímulos

Processo: 09/53544-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2010 - 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Marcos Antonio Rossi
Beneficiário:Marcos Antonio Rossi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Cardiomiopatia chagásica  Distrofina  Doxorrubicina  Isoproterenol  Miócitos cardíacos 

Resumo

O complexo distrofina-glicoproteínas (DGC) localiza-se no sarcolema das células musculares esqueléticas e cardíacas concentrando-se ao longo da membrana plasmática cuja função principal é proporcionar forte ligação mecânica entre o citoesqueleto intracelular e a matriz extracelular. O DGC atua principalmente na transmissão de força contrátil entre o sarcômero, a membrana plasmática e a matriz extracelular, conferindo estabilidade estrutural para a membrana celular. A deficiência de distrofina resulta na distrofia muscular de Duchenne, freqüentemente acompanhada por cardiomiopatia. A ausência ou redução de distrofina pode resultar na diminuição da expressão dos componentes do DGC e instabilidade sarcolemal, e conseqüente degeneração miofibrilar. Estudos em humanos e em modelos animais indicam que a perda da associação entre as estruturas do DGC pode levar ao desenvolvimento de cardiomiopatia. Estudos prévios realizados em nosso laboratório de Cardiologia Celular e Molecular, focalizando o DGC, demonstraram claramente, em diferentes modelos de lesão miocárdica, que há perda de proteínas importantes do complexo, notadamente distrofina. As situações inéditas avaliadas em nosso laboratório foram: sépsis experimental por ligação e perfuração do ceco, cardiopatia chagásica aguda experimental, administração de isoproterenol (droga (ß-adrenérgica) e «latos preliminares com a administração de doxorrubicina (droga antineoplásica). A redução e/ou a perda de distrofina foi evento primário seguido de degeneração miofilamentar e lise de cardiomiócitos. Recentes estudos da literatura elencam três possíveis hipóteses que poderiam ser responsáveis pela perda de distrofina: hipoxia/isquemia, citocinas pró-inflamatórias e ação direta de proteases exógenas. Nas situações experimentais realizadas em nosso laboratório, segundo a literatura e nossos achados, há presença de citocinas pró-inflamatórias e possíveis alterações no fluxo vascular com conseqüente isquemia e hipoxia. Por isso, o presente projeto investigará a ação do soro de animais sépticos e Chagásicos, do isoproterenol e da doxorrubicina, bem como das citocinas pró-inflamatórias e hipoxia na expressão de distrofina de cardiomiócitos em cultura. Avaliar-se-á a expressão de distrofina nas culturas de cardiomiócitos submetidos aos seguintes estímulos: (a) soro de animais sépticos e chagásicos, ao isoproterenol e à doxorrubicina, (b) soro de animais sépticos e chagásicos, isoproterenol e doxorrubicina em situação de hipoxia, (c) ação de citocinas pró-inflamatórias (IL-1ß e TNF-α), (d) ação de citocinas pró-inflamatórias (IL-1ß e TNF-α) em situação de hipoxia, (e) soro de animais sépticos e chagásicos, isoproterenol e doxorrubicina na presença de inibidores de citocinas pró-inflamatórias e (f) soro de animais sépticos e chagásicos, isoproterenol e doxorrubicina na presença de inibidores de citocinas pró-inflamatórias e situação de hipoxia. Com os resultados buscamos, de forma inédita, quantificar e elucidar como cada estímulo contribui para a redução da expressão de distrofina, fornecendo subsídios para a elucidação do mecanismo de perda da distrofina na sépsis, cardiopatia chagásica aguda, estímulo com isoproterenol e estímulo com doxorrubicina, além de poder contribuir para o conhecimento das distrofinopatias em geral. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Quando o organismo se destrói 
Quando o organismo se destrói 
Fora de controle 

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MALVESTIO, LYGIA M.; CELES, MARA RUBIA N.; JELICKS, LINDA A.; TANOWITZ, HERBERT B.; PRADO, CIBELE M. Dantrolene improves in vitro structural changes induced by serum from Trypanosoma cruzi-infected mice. Parasitology Research, v. 116, n. 1, p. 429-433, JAN 2017. Citações Web of Science: 2.
CELES, MARA R. N.; MALVESTIO, LYGIA M.; SUADICANI, SYLVIA O.; PRADO, CIBELE M.; FIGUEIREDO, MARIA J.; CAMPOS, ERICA C.; FREITAS, ANA C. S.; SPRAY, DAVID C.; TANOWITZ, HERBERT B.; DA SILVA, JOAO S.; ROSSI, MARCOS A. Disruption of Calcium Homeostasis in Cardiomyocytes Underlies Cardiac Structural and Functional Changes in Severe Sepsis. PLoS One, v. 8, n. 7 JUL 23 2013. Citações Web of Science: 19.
PRADO, CIBELE M.; CELES, MARA R. N.; MALVESTIO, LYGIA M.; CAMPOS, ERICA C.; SILVA, JOAO S.; JELICKS, LINDA A.; TANOWITZ, HERBERT B.; ROSSI, MARCOS A. Early dystrophin disruption in the pathogenesis of experimental chronic Chagas cardiomyopathy. Microbes and Infection, v. 14, n. 1, p. 59-68, JAN 2012. Citações Web of Science: 7.
CAMPOS, ERICA C.; O'CONNELL, JOAO L.; MALVESTIO, LYGIA M.; DIAS ROMANO, MINNA M.; RAMOS, SIMONE G.; CELES, MARA RUBIA N.; PRADO, CIBELE M.; SIMOES, MARCUS V.; ROSSI, MARCOS A. Calpain-mediated dystrophin disruption may be a potential structural culprit behind chronic doxorubicin-induced cardiomyopathy. European Journal of Pharmacology, v. 670, n. 2-3, p. 541-553, NOV 30 2011. Citações Web of Science: 20.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.