Busca avançada
Ano de início
Entree

Proteção de metionina através de microencapsulação para utilização na alimentação de ruminantes

Processo: 08/03095-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2008 - 30 de junho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Pesquisador responsável:Francisco Palma Rennó
Beneficiário:Francisco Palma Rennó
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Aminoácidos  Vacas leiteiras  Fermentação ruminal 

Resumo

A proteína bruta contida nos alimentos utilizados para ruminantes contém proteína degradável no rúmen (PDR) e proteína não degradada no rúmen (PNDR). Os microrganismos do rúmen degradam o PDR e utilizam o nitrogênio para a síntese de proteína microbiana, que constitui a principal fração da proteína metabolizável. Em muitas situações a maior parte do nitrogênio que chega ao intestino é de origem microbiana. Entretanto, a proteína microbiana pode não suprir quantitativamente e qualitativamente a exigência de aminoácidos de ruminantes de alta produção. Estudos citaram que o uso de fontes protéicas ou de aminoácidos que escapem da degradação ruminal podem aumentar o desempenho e a qualidade do leite em vacas leiteiras.A metionina é o principal aminoácido limitante na produção de bovinos de leite, principalmente de animais consumindo farelo de soja como fonte protéica. Os resultados da suplementação com metionina protegida tem respostas heterogêneas, entretanto, de forma geral, observa-se aumento de produção de leite e do teor de proteína no leite. A maior parte dos estudos não informa as formas de proteção da metionina, o que poderia ajudar a explicar alguns resultados. Para ser efetiva, a proteção das fontes de metionina a degradação ruminal deve ser resistente ao pH ruminal e, ao mesmo tempo, estar apta a sofrer a ação do pH ácido do abomaso, aumentando a quantidade de metionina disponível no intestino delgado. Dentro desse contexto, estudos relacionando a técnica de microencapsulação para a proteção da metionina da degradação ruminal, com avaliação de diferentes agentes encapsulantes, pode auxiliar a compreensão dos resultados heterogêneos da utilização de metionina protegida na dieta de ruminantes. A microencapsulação pode ser definida como o processo no qual uma membrana envolve pequenas partículas de sólido, líquido ou gás com o objetivo de proteger o material das condições adversas do meio, estabilizando o produto e promovendo a liberação controlada da cápsula em condições pré-estabelecidas. Assim, a microencapsulação pode ser uma excelente alternativa para o fornecimento de fontes de aminoácidos protegidos para a liberação no abomaso, melhorando o desempenho de ruminantes, especialmente na necessidade de atendimento das exigências nutricionais de animais de alto desempenho, como vacas leiteiras no início e meio de lactação. Outro aspecto importante deste estudo reside em questões ambientais, uma vez que a produção de leite vem sofrendo pressão no sentido da redução das perdas de nitrogênio. Assim, a otimização da eficiência da utilização de nitrogênio pelas vacas leiteiras, por meio de redução do teor de PB dietético somado a utilização de metionina protegida pode gerar benefícios produtivos, de qualidade de leite e também com diminuição de excreção de nitrogênio no ambiente.Este estudo propõe a utilização de diferentes agentes encapsulantes e a avaliação de sua estabilidade ruminal, resultando em conhecimentos necessários para a utilização de aminoácidos protegidos na nutrição de ruminantes. Dessa forma, será possível conhecer os mais adequados agentes encapsulantes por meio de estudos in vitro, in vivo e avaliação de desempenho com vacas em lactação. (AU)