Busca avançada
Ano de início
Entree

Fatores associados ao nascimento pré-termo em Campina Grande/PB, Brasil: um estudo de caso-controle

Processo: 08/10948-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2009 - 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Hillegonda Maria Dutilh Novaes
Beneficiário:Hillegonda Maria Dutilh Novaes
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Saúde materno-infantil  Mortalidade neonatal  Fatores de risco 

Resumo

O nascimento pré-termo é uma das principais causas de morbidade e mortalidade perinatal em países desenvolvidos e em desenvolvimento, além de ser fator de risco para problemas na infância e demais fases da vida. Os fatores que têm sido identificados como parte da cadeia causal do nascimento pré-termo estão relacionados às características biológicas e antecedentes reprodutivos da mãe; às condições sócio-econômicas, ambientais e de assistência ao pré-natal, às características do feto e assistência ao parto. Na atualidade, a partir do entendimento da determinação multifatorial do nascimento pré-termo, os esforços voltam-se para a busca do conhecimento do mecanismo que envolve a inter-relação e sobreposição dos vários fatores de risco. As taxas de pré-termos no mundo vêm aumentando nas duas últimas décadas em muitos países e, apesar das pesquisas desenvolvidas e do conhecimento acumulado em relação aos seus determinantes, não está clara a razão dessa tendência. Além das mudanças no perfil reprodutivo, um dos fatores potencialmente importante seria a mudança na prática obstétrica. Nos países pobres contribuem também as doenças infecciosas (malária, tuberculose, HIV) e a malnutrição. No Brasil, os percentuais de nascimentos pré-termos acompanham o panorama mundial. Dois estudos de base populacional apontam aumento de 7,2% a 13, 3% entre 1979/79 e 1994 em Ribeirão Preto (São Paulo) e de 6,3% a 14,7% entre 1983 e 2004 em Pelotas (Rio Grande do Sul). No Nordeste, estudo de base populacional encontrou percentual de 12,7% de nascimentos pré-termo em 1997/98. Os estudos que utilizaram dados secundários, do Sistema de Informações de Nascidos Vivos/SINASC, encontraram valores muito inferiores. Existem poucos estudos sobre fatores de risco no país, predominando estudos na Região Sudeste. O projeto de pesquisa propõe a mesma metodologia utilizada no projeto "Fatores de risco para nascimentos pré-termo", subvencionado pela FAPESP (processo Nº 05/56552-5) desenvolvido no município de Londrina/RS. A partir dos resultados das referidas pesquisas serão comparados o contexto e fatores de risco dos nascimentos pré-termos em duas realidades sócio-economicamente distintas: Campina Grande, na Região Nordeste e Londrina, na Região Sul. O epidemiológico do estudo é de tipo caso-controle. Com base nos resultados preliminares da análise estatística da pesquisa "Fatores de risco para nascimentos pré-termo" serão selecionadas 394 crianças para o grupo de casos (nascimentos pré-termos, menos de 37 semanas de gestação) e 394 crianças para o grupo de controle (nascimentos a termo, maior ou igual a 37 semanas de gestação), estratificadas por hospital e com partilha proporcional ao número de nascimento de cada unidade. Com este tamanho de amostra será possível obter estimativas estatisticamente significantes (±=0,05 e 1-²=0,80) para odds ratios tão baixos quanto 1,7, para uma prevalência esperada de exposição no grupo controle de 15%.Os dados sobre as variáveis maternas biológicas, sócio-econômicas, reprodutivas, emocionais, obstétricas e de assistência à saúde no pré-natal e parto serão obtidos através de aplicação de questionário validado. O instrumento será submetido a um pré-teste em decorrência das referidas modificações e das especificidades da população. Também serão coletados dados dos prontuários obstétricos e dos recém-nascidos através de protocolo hospitalar. Será montado um banco de dados, e após procedimentos habituais de validação dos dados, será desenvolvida análise estatística multivariada adotando-se modelo hierárquico apoiado em modelo teórico explicativo da causalidade do nascimento pré-termo. (AU)