Busca avançada
Ano de início
Entree

Osseointegração de implantes de titânio em defeitos ósseos circunferenciais tratados com Bio-Oss® fosfato tri-cálcio ou osso autógeno: estudo da influência do tempo de reparo sobre a histologia, histometria e estabilidade de implantes

Processo: 09/11052-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2010 - 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Cirurgia Buco-maxilo-facial
Pesquisador responsável:Luiz Antonio Salata
Beneficiário:Luiz Antonio Salata
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Defeitos ósseos  Implantes dentários de titânio  Ósseointegração  Bio-Oss  Reparo ósseo  Biomateriais  Ressonância magnética 

Resumo

Quando implantes são instalados imediatamente após a extração dental, freqüentemente ocorre espaço entre as paredes circundantes do alvéolo e a superfície do implante, o que pode resultar em retardo e/ou deficiências do processo de osseointegração. Este espaço (gap) é quase sempre mais largo na porção coronal do alvéolo, e a quantidade de contato osso-implante diminui à medida que aumenta a largura do defeito. Vários biomateriais e técnicas têm sido propostas na tentativa de aumentar a previsibilidade do tratamento com implante imediato à extração dental, visando preencher o espaço ao redor do implante e favorecer o processo de osseointegração. Entre os biomateriais utilizados no manejo dessa situação clínica, o osso bovino particulado desproteinizado (Bio-Oss") e o fosfato tri-cálcio (Straumann Bone Ceramic") têm sido amplamente testados no tratamento de defeitos ósseos periodontais, elevação de seio maxilar e no preparo de alvéolos dentais para colocação de implantes. A constatação de que o Bio-Oss não é totalmente reabsorvido no sítio implantado e que a persistência de partículas do material possa contribuir para uma interface instável entre o material e o implante de titânio, ainda não foi explorada em estudos controlados. O objetivo desse estudo é avaliar a eficácia do osso bovino particulado desproteinizado e compará-la ao fosfato tri-cálcio em promover a osseointegração e estabilidade de implantes de Ti. Para este estudo serão utilizados 6 cães machos jovens.Após 2 meses das extrações dentais, todos os animais serão submetidos à confecção de 4 defeitos ósseos sobre o rebordo alveolar em apenas um dos lados da mandíbula, simulando alvéolos pós-extração. Quatro defeitos com dimensões de 6,3 mm de diâmetro por 4,0 mm de profundidade serão produzidos com broca trefina separados entre si por 3,0 mm. Esses defeitos serão tratados com Bio-Oss", Straumann Bone Ceramic", osso autógeno ou apenas coágulo e os defeitos serão permitidos reparar até o tempo de instalação dos implantes (Grupo Mediato). Após 2 meses, outros 4 defeitos com as mesmas dimensões serão criados no lado contra-lateral, sendo que um implante (OsseoSpeed" 9,0 mm x 3,5 mm, Astra Tech AB, Molndal, Suécia) será instalado no centro de cada defeito e os mesmos materiais descritos acima impactados ao redor do implante (Grupo Imediato). Nessa mesma sessão, um implante de titânio será instalado em cada defeito do Grupo Mediato.Todos os animais serão sacrificados ao final de 2 meses da instalação dos implantes. A estabilidade primária dos implantes será medida por meio da análise de freqüência de ressonância (RFA) do complexo osso-implante pela leitura do quociente de estabilidade do implante (ISQ) utilizando Osstell Mentor® (Integration Diagnostics AB, Gotemburgo, Suécia). Os sítios experimentais, contendo o defeito ósseo e o implante, serão processados para cortes por desgaste. A análise histológica visará à identificação de áreas de novo osso no defeito ósseo e a relação entre as partículas dos biomateriais testados com o tecido ósseo neoformado. Além disso, a ocorrência de infiltrado inflamatório e presença de macrófagos e células multinucleadas serão investigadas. As medidas histométricas serão realizadas considerando o contato osso-implante (BIC) expressas em porcentagem, nas áreas do defeito e na região apical. No sentido do longo eixo dos implantes e dentro da área do defeito ósseo será medida a porcentagem de osso formado em uma região de interesse (ROI) retangular. Este parâmetro visa à mensuração do reparo do defeito ósseo em cada grupo experimental. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ANTUNES, ANTONIO A.; NETO, PATRICIO OLIVEIRA; DE SANTIS, ENZO; CANEVA, MARCO; BOTTICELLI, DANIELE; SALATA, LUIZ A. Comparisons between Bio-Oss (R) and Straumann (R) Bone Ceramic in immediate and staged implant placement in dogs mandible bone defects. Clinical Oral Implants Research, v. 24, n. 2, p. 135-142, FEB 2013. Citações Web of Science: 20.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.