Busca avançada
Ano de início
Entree

ESTUDOS MOLECULARES EM CULTIVARES DE Psidium guajava L. FUMIGADAS COM OZÔNIO

Processo: 09/09736-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2010 - 31 de março de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Botânica Aplicada
Pesquisador responsável:Cláudia Maria Furlan
Beneficiário:Cláudia Maria Furlan
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Ecofisiologia vegetal  Fumigação  Ozônio  Flavonoides 

Resumo

As concentrações de ozônio (O3) na baixa atmosfera têm aumentado globalmente tanto em regiões urbanas quanto rurais à taxa de 1,5% ao ano. Seu efeito fitotóxico acarreta perdas econômicas ao reduzir a produtividade de espécies cultivadas, além de impor riscos às espécies vegetais florestais. Em espécies sensíveis, a exposição ao ozônio induz danos à membrana celular e de organelas, levando ao rompimento de diferentes cadeias metabólicas da célula e até a morte celular. Devido a esses efeitos celulares, podem surgir lesões visíveis nos tecidos foliares como cloroses e necroses. Em outras espécies, os sintomas visíveis podem ser pontuações e pigmentações resultantes do acúmulo de compostos do metabolismo secundário. Psidium guajava "Paluma" é uma espécie descrita como boa indicadora da presença de altas concentrações de ozônio na atmosfera, por apresentar, na presença deste, injúrias foliares típicas como pontuações avermelhadas na região intervenal da superfície adaxial das folhas mais velhas. Dessa forma, pretende-se com este projeto, avaliar perfis de expressão diferencial em duas variedades comerciais de Psidium guajava L. cv. "Paluma" e cv. "Pedro Sato" quando expostas a condições controladas de fumigação com ozônio. Este projeto visa utilizar uma estratégia derivada do método AFLP ("Amplified-Length Fragments Polymorphisms") a cDNA-AFLP para a caracterização de novos genes suscetíveis a fatores de estresse, combinada com a análise de flavonóides, substâncias que fazem parte do pool defesas antioxidantes. Busca-se um melhor entendimento de mecanismos envolvidos no estresse oxidativo desencadeado pela presença de concentrações fitotóxicas de ozônio. (AU)