Busca avançada
Ano de início
Entree

Eficácia e função biológica de anticorpos monoclonais gerados contra antígenos de parede e Exoantígenos de Paracoccidioides brasiliensis na infecção experimental

Processo: 07/07588-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2008 - 30 de setembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Carlos Pelleschi Taborda
Beneficiário:Carlos Pelleschi Taborda
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Parede celular  Antígenos  Anticorpos monoclonais  Micologia 

Resumo

A paracoccidioidomicose (PCM) é a infecção fúngica sistêmica de maior prevalência na América Latina. Seu agente etiológico, Paracoccidioides brasiliensis, é um fungo termodimórfico, apresentando uma estrutura complexa de proteínas, glicoproteínas, polissacarídeos, lipídeos e polipeptídeos que reúnem condições físico-quimicas e biológicas para atuarem como antígenos.Polissacarídeos da parede celular do P. brasiliensis assim como fatores envolvidos na patogenicidade do fungo têm papel importante nas interações hospedeiro-fungo. Dentre os antígenos de P. brasiliensis destaca-se, a gp43, uma glicoproteína que pode estar implicada na patogenicidade do fungo.A resposta imune celular é o principal mecanismo de defesa do hospedeiro contra P. brasiliensis, no entanto, não se conhece a real participação da resposta imune humoral no controle desta micose.Nosso laboratório documentou previamente a administração terapêutica de anticorpos monoclonais contra a gp43 em camundongos Balb/C infectados intratraquealmente com um isolado virulento de P. brasiliensis. Observamos que alguns destes anticorpos foram capazes de reduzir a carga fúngica, porém, foi verificada a existência de anticorpos não protetores.A presença de um determinado grupo de anticorpos em preparações de soros policlonais corresponde a uma pequena porção do total de imunoglobulinas, e diferenças na quantidade de anticorpos, na especificidade e no isotipo podem explicar porque estas preparações nem sempre conferem proteção. A eficácia de um anticorpo monoclonal protetor depende de vários fatores como a quantidade administrada, especificidade e isotipo, assim como a via de inoculação do anticorpo monoclonal, virulência do patógeno e suscetibilidade do hospedeiro.Estudos utilizando diferentes modelos de infecções fúngicas revelam a complexa relação entre a eficácia da proteção mediada por anticorpos com a especificidade do anticorpo monoclonal. As razões biológicas envolvidas nestas interações permanecem obscuras.Este estudo se baseará na produção e caracterização de anticorpos monoclonais contra diferentes alvos presentes na parede e membrana celular ou elimanados no sobrenadante do meio de cultura como: melanina, glicolipídeos, glicoproteínas e carboidratos da parede e membrana celular com o intuito de compreender a função biológica dos anticorpos na PCM e buscar, uma associação entre as respostas imune celular e humoral no melhoramento das terapias propostas até o presente momento..Ressaltamos que os resultados prévios utilizando-se anticorpos monoclonais contra antígenos de P. brasiliensis monstraram-se promissores, fazendo acreditar que o desenvolvimento destes anticorpos monoclonais possa trazer esclarecimentos de vital importância para esta infecção. (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
RITTNER, GLAUCE M. G.; MUNOZ, JULIAN E.; MARQUES, ALEXANDRE F.; NOSANCHUK, JOSHUA D.; TABORDA, CARLOS P.; TRAVASSOS, LUIZ R. Therapeutic DNA Vaccine Encoding Peptide P10 against Experimental Paracoccidioidomycosis. PLoS Neglected Tropical Diseases, v. 6, n. 2, p. e1519, 2012. Citações Web of Science: 26.
GALVAO DIAS, M. A.; ZANCOPE OLIVEIRA, R. M.; GIUDICE, M. C.; MONTENEGRO NETTO, H.; JORDAO, L. R.; GRIGORIO, I. M.; ROSA, A. R.; AMORIM, J.; NOSANCHUK, J. D.; TRAVASSOS, L. R.; TABORDA, C. P. SHORT REPORT Isolation of Histoplasma capsulatum from bats in the urban area of Sao Paulo State, Brazil. EPIDEMIOLOGY AND INFECTION, v. 139, n. 10, SI, p. 1642-1644, OCT 2011. Citações Web of Science: 12.
PRADO, MARLI; DA SILVA, MARCELO BARBOSA; LAURENTI, RUY; TRAVASSOS, LUIZ R.; TABORDA, CARLOS P. Mortality due to systemic mycoses as a primary cause of death or in association with AIDS in Brazil: a review from 1996 to 2006. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 104, n. 3, p. 513-521, MAY 2009. Citações Web of Science: 124.
MARQUES, ALEXANDRE F.; DA SILVA, MARCELO B.; JULIANO, MARIA A. P.; MUNHOZ, JULIAN E.; TRAVASSOS, LUIZ R.; TABORDA, CARLOS P. Additive effect of P10 immunization and chemotherapy in anergic mice challenged intratracheally with virulent yeasts of Paracoccidioides brasiliensis. Microbes and Infection, v. 10, n. 12-13, p. 1251-1258, OCT 2008. Citações Web of Science: 34.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.