Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da terapia laser de baixa potência na lesão muscular induzida por estiramento passivo em ratos

Processo: 08/57917-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica
Pesquisador responsável:Rodrigo Alvaro Brandão Lopes Martins
Beneficiário:Rodrigo Alvaro Brandão Lopes Martins
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Terapia a laser de baixa intensidade  Laser de baixa intensidade  Lesão muscular  Regeneração muscular  Inflamação  Fisioterapia 

Resumo

Lesões agudas comuns do sistema músculo-esquelético incluem contusões, lacerações, estiramentos, isquemia e rupturas completas. A maioria dos atletas de alto nível, ao menos uma vez ao longo de sua vida profissional, já vivenciou a experiência da lesão muscular. Estiramentos musculares acontecem após contrações excêntricas e constituem o tipo mais comum de lesão em atletas. O esforço excêntrico normalmente leva a danos microscópicos do elemento contrátil do músculo, com lesões das linhas Z. Dor reversível, fraqueza e amplitude de emovimento limitada são as características principais das lesões por estiramento muscular. O tratamento conservador é recomendado e consiste em uma abordagem multi-orientada, incluindo modelos de reabilitação combinada como repouso, medicação (antiinflamatórios não esteroidais e corticóides), crioterapia, massagem, etc. Drogas anti-inflamatórias não esteroidais são as mais freqüentemente utilizadas como parte do tratamento inicial, mesmo que alguns trabalhos demonstrem um retardo da recuperação da lesão tecidual. No entanto, o impacto econômico das terapias para desordens músculo-esqueléticas com o uso de drogas anti-inflamatórias é consideravelmente alto, principalmente devido aos custos da medicação, hospitalização e toxicidade destes agentes, principalmente com relação a efeitos adversos gastrintestinais. O uso de lasers na prática clínica para o efeito anti-inflamatório em diferentes doenças baseia-se em uni número crescente de publicações de caráter científico. Recentemente, vimos acumulando experiência em trabalhos experimentais e clínicos com a aplicação do Laser da Baixa Potência em diferentes situações. Durante este tempo, fomos capazes de caracterizar o efeito da Terapia com Laser de Baixa Potência na reação inflamatória nos mais variados modelos experimentais. No entanto, é muito importante ressaltar que muito pouco se conhece a respeito do mecanismo de ação dos laseres infra-vermelhos. Neste sentido, os estudos experimentais com estes comprimentos de onda assumem grande relevância para o esclarecimento do mecanismo de ação da terapia. Atualmente os laseres de comprimento de onda na faixa do infra-vermelho são os mais utilizados em doenças inflamatórias articulares e músculo-esqueléticas, sem sombra de dúvida,no entanto, o estabelecimento de parâmetros clínicos para a utilização desta técnica se faz ainda extremamente necessário. (AU)