Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão gênica em larga escala de Schistosoma mansoni: efeito de hormônios humanos e drogas

Processo: 07/58477-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2008 - 31 de maio de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Sergio Verjovski Almeida
Beneficiário:Sergio Verjovski Almeida
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Schistosoma mansoni 

Resumo

O objetivo é estudar o perfil de expressão gênica do parasita Schistosoma mansoni sob a ação de diferentes hormônios humanos (Insulina e DHEA, Dehidroepiandrosterona) e citocinas (TNF, fator de necrose tumoral), já mostrados como tendo efeito sobre o metabolismo e o desenvolvimento do parasita, ou sob o efeito da exposição a duas drogas que agem no parasita: praziquantel e quinina. Visamos identificar os genes e as vias que participam do mecanismo de ação dos hormônios humanos em S. mansoni, e compreender a resposta biológica do parasita à estímulos hormonais e às drogas. Utilizaremos duas plataformas de microarrays construídas em nosso laboratório: uma com 4.608 genes selecionados do parasita, representados por clones de cDNA da coleção de 160.000 ESTs por nós sequenciados em 2004; a segunda com sondas de oligonucleotídeos simples-fita 60-mer, representando todos os 30.000 fragmentos de genes de S. mansoni conhecidos, derivados de todos os 180.000 ESTs públicos. Este oligoarray contem 44.000 sondas, representando a fita senso dos genes para os quais se conhece a ORF, e ambas as fitas senso e antisenso para os fragmentos de genes novos, sobre os quais não se pode determinar a fita codificadora. Nosso grupo de pesquisa já possui experiência e resultados anteriores utilizando ambas as plataformas para o estudo da expressão em machos e fêmeas adultos. A proposta atual é fazer experimentos com vermes adultos e esquistossômulos tratados em diferentes tempos e com diferentes concentrações dos hormônios humanos e drogas acima mencionados. Os resultados obtidos neste projeto nos permitirão entender por um lado a natureza molecular da interação parasita-hospedeiro, e por outro conhecer os genes que são ativados/reprimidos nos parasitas que sobrevivem quando expostos às drogas, indicando potenciais alvos para eventual desenvolvimento de novas drogas e vacinas. (AU)