Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da musculatura do assoalho pélvico de mulheres que apresentam vulvovaginites recorrentes e vulvodíneas

Processo: 08/00255-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2008 - 30 de setembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Paulo César Giraldo
Beneficiário:Paulo César Giraldo
Instituição-sede: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ginecologia  Tocoginecologia  Assoalho pélvico  Vulvovaginite  Vestibulite vulvar  Fisioterapia  Mulheres 

Resumo

A dor e o desconforto vulvoperineal causadas por vulvaginites recorrentes (VVR) e vulvodínea (VVD) atingem um grande número de mulheres afetando sua vida sexual e social, sendo consideradas desordens ginecológicas de maior estresse com grandes consequências psicológicas. O envolvimento da musculatura do assoalho pélvico nestas patologias, como um agravante ou como agente desencadeador, têm sido cada vez mais ressaltados e questionados nos estudos. Objetivo: Verificar se existe alguma disfunção do assoalho pélvico de mulheres com VVR ou VVD. Sujeitos e métodos: Estudo de corte transversal. Serão selecionadas 64 mulheres atendidas no Ambulatório de Infecções genitais do Departamento de Tocoginecologia da FCM/Unicamp, sendo 32 com vulvovaginites recorrentes e/ou vulvodínea, 32 sem estas doenças. A avaliação da musculatura do assoalho pélvico será feita através da pressão intravaginal (mmHg) e da eletromiografia de superfície [(s)EMG], com as pacientes na posição ginecológica em três momentos: com a musculatura do assoalho pélvico relaxada, realizando contração e endurance da musculatura do assoalho pélvico. Para coleta, registro e armazenamento dos dados será utilizado o aparelho Miotool 400 juntamente com seu software específico. A análise estatística dos dados finais será feita por ANOVA, um nível de significância de 5%. Para desenvolvimento deste procedimento estatístico será utilizado o SAS versão 9.02. Palavras chaves: vulvovaginite recorrente; vulvodínea; vulvovestibulite; (s)EMG; fisioterapia. (AU)