Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação imuno-histoquímica da expressão da MMP-9 e do VEGF no câncer de mama em gatas e correlação com outros indicadores mofológicos de prognóstico

Processo: 10/03268-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2010 - 31 de março de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Gisele Fabrino Machado
Beneficiário:Gisele Fabrino Machado
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária (FMVA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Pesq. associados:Augusto Schweigert
Assunto(s):Oncologia  Neoplasias mamárias  Proliferação celular  Biomarcadores tumorais  Metaloproteinase 9 da matriz  Prognóstico  Gatos 

Resumo

Alguns "marcadores tumorais" têm sido bastante utilizados para predizer o prognóstico dos tumores de mama, como por exemplo os receptores hormonais de estrogênio e de progesterona; a expressão de proteínas como: a ki-672 e a p53. Porém outros marcadores com grande valor prognóstico vêem sendo utilizados em tumores de mama, como as metaloproteinases (MMPs) e o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF). Observações realizadas em humanos com neoplasia revelam a complexidade da interação entre as células tumorais e o hospedeiro, e a inibição ou estimulação de imunidade anti-tumor. A literatura que diz respeito a marcadores pde prognostico para felinos é escassa. As metaloproteinases da matriz (MMPs) são responsáveis pela degradação dos elementos constituintes da membrana basal e da matriz extracelular, desta forma acredita-se que estas estão envolvidas no processo de crescimento e invasão tumoral, assim como o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF). Acredita-se também que o processo inflamatório linfocitário esteja também envolvido de forma direta com o prognóstico de pacientes com neoplasia. Sendo assim, o objetivo do estudo é avaliar o grau de expressão imuno-histoquímica (IHQ) da MMP-9 e do VEGF, além de verificar os tipos celulares envolvidos na resposta inflamatória às neoplasias mamárias em gatas. A utilização de IHQ tem sido considerada uma importante ferramenta para a imunofenotipagem e caracterização de células tumorais. Embora os resultados da IHQ devam ser interpretados no contexto da avaliação histopatológica, o uso criterioso de painéis de anticorpos permite a definição de diagnóstico e prognóstico acurados. Esperamos com este estudo ampliar as informações sobre marcadores tumorais de prognóstico em tumores de mama de gatas, uma vez que a avaliação simultânea de diferentes parâmetros e a verificação de correlação entre eles pode oferecer resultados mais significativos sobre o comportamento e prognóstico das neoplasias mamárias felinas. (AU)