Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinação da dureza, da tenacidade e da fadiga flexural de infra-estruturas para próteses odontológicas livres de metal reforçadas com zircônia nanométrica

Processo: 09/07058-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Ana Lucia Machado
Beneficiário:Ana Lucia Machado
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Fadiga  Zircônia  Alumina  Dureza  Próteses e implantes 

Resumo

A utilização das próteses livres de metal tem-se ampliado cada vez mais em função das vantagens apresentadas pelos materiais cerâmicos, como biocompatibilidade, resistência à compressão, estabilidade de cor, radiopacidade e baixa condutibilidade térmica e elétrica. O potencial desses materiais em mimetizar os tecidos dentais também tem contribuído para aumentar sua indicação, atendendo a crescente exigência estética dos pacientes. Apesar dessas características favoráveis, percentuais consideráveis de insucesso clínico têm sido observados, demonstrando que as propriedades mecânicas dos materiais utilizados ainda precisam ser melhoradas. Uma alternativa ainda pouco explorada na odontologia é a utilização de inclusões nanométricas como reforço, obtendo-se nanocompósitos cerâmicos. Assim, o objetivo do presente projeto será avaliar as propriedades de dureza, tenacidade e limite de resistência à fadiga flexural de nanocompósito denso de matriz de alumina com inclusões nanométricas de zircônia, para aplicação em infra-estruturas de próteses odontológicas livres de metal. As amostras serão produzidas seguindo metodologia estabelecida em estudo anterior, que consiste nas seguintes etapas: 1) obtenção de pós por meio de desaglomeração da alumina pura e da ZrO2 nanométrica em moinho de bolas convencional; 2) adição da suspensão contendo as partículas nanométricas com a alumina por gotejamento contínuo da suspensão de ZrO2 e mistura em moinho de bolas convencional; 3) secagem dos pós no interior do moinho de bolas, sob agitação, em temperatura próxima da ambiente, com auxílio de fluxo de ar perpendicular à abertura do frasco de moagem; 4) preparo das amostras com a mistura obtida, aplicando-se prensagem uniaxial (50 MPa), seguida de prensagem isostática (200 MPa). As amostras serão confeccionadas em forma de barra (25 X 5 X 2mm) para o ensaio de fadiga flexural (n=30) e em forma de disco (pastilhas), com 10 mm de diâmetro e 5 mm de espessura, para os ensaios de dureza e de tenacidade (n=10); 5) eliminação dos componentes orgânicos adicionados durante o preparo dos pós e conformação das amostras, por meio de tratamento térmico (500°C; taxa de aquecimento de 20°C/mim) ao ar por 2h; 6) sinterização das amostras ao ar em temperatura de 1500°C por 2 horas com taxa de aquecimento de 10oC/min e patamar isotérmico a 1050°C por 1 h. O ensaio de resistência à fadiga será realizado utilizando-se o método da escada, que tem como finalidade simular movimentos mastigatórios e consiste em submeter os corpos-de-prova a 10.000 ciclos e 2Hz de freqüência. O limite médio de fadiga será obtido pela média ponderada dos valores mais baixos de tensão para os quais as amostras não se romperam. Para o ensaio de dureza Vickers, as pastilhas cerâmicas serão incluídas em resina acrílica autopolimerizável, submetidas a acabamento e polimento, sendo a superfície dividida em quatro áreas iguais. Em cada área, serão realizadas duas marcações, totalizando oito por pastilha. Para o ensaio de tenacidade, será levado em consideração o tamanho das trincas observadas nas identações do ensaio de dureza. Essas trincas serão avaliadas e medidas no próprio microscópio do microdurômetro no momento do ensaio de dureza ou, caso não seja possível, as amostras serão preparadas para microscopia eletrônica de varredura em aumento compatível com o tamanho das identações. O comprimento dessas trincas será utilizado em equações pré-determinadas em outros estudos para a obtenção do valor de tenacidade. No presente estudo, será incluído também o sistema cerâmico comercial Empress 2, Ivoclar Vivadent AG como parâmetro de comparação, em virtude de sua ampla utilização. Assim, amostras similares às já descritas para o material experimental serão confeccionadas seguindo as instruções do fabricante e submetidas aos mesmos ensaios mecânicos. Posteriormente testes estatísticos apropriados compararão o material em desenvolvimento que é motivo do presente projeto e o material comercial em questão. (AU)