Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da ciclagem térmica e mecânica na resistência de união de restaurações indiretas utilizando a técnica de selamento da dentina

Resumo

O objetivo deste estudo será avaliar resistência da união entre compósito de uso dentina humana após diferentes protocolos da técnica de selamento da dentina. Serão utilizados 2 sistemas autocondicionantes (Clearfil SE Bond e Clearfil S3). Para a técnica de selamento da dentina será utilizado o compósito Protect Liner F (Kuraray). Como cimento resinoso será utilizado o Panavia F (Kuraray). Para confeccionar as restaurações indiretas será utilizado o compósito Sinfony (3M-ESPE). Serão coletados 20 terceiros molares humanos hígidos que terão a superfície oclusal em esmalte removida, a fim de se expor uma superfície plana em dentina. A dentina exposta será polida com lixas de SiC de granulação 600, com o objetivo de produzir uma "smear layer" padronizada. Para o tratamento da superfície dentinária os dentes serão divididos em 5 grupos (5 dentes por grupo) de acordo com o tipo de técnica de selamento. Após as superfícies serão cobertas com material provisório (Bioplic - Biodinâmica), e as amostras armazenadas em água destilada a 37°C por 7 dias. A cimentação das restaurações definitivas será realizada utilizando-se o cimento resinoso Panavia F. Os corpos-de-prova serão submetidos ao teste de ciclagem térmica (2000 ciclos). Após realização da ciclagem térmica, será realizado o teste de ciclagem mecânica em um aparelho (MCT-120), o qual submeterá as amostras a 250.000 ciclos. As restaurações serão seccionadas para se obter amostras em forma de palitos de aproximadamente 0,8 mm de espessura. Os palitos serão fixados pelas extremidades, a um dispositivo de microtração, em máquina de ensaio universal (Instron) com um adesivo à base de cianocrilato, e fracionados a uma velocidade de 0,5mm/min. Após a fratura, as amostras serão analisadas em M.E.V. para observação do tipo de fratura. Os resultados obtidos serão submetidos à análise de variância e as médias ao teste de Tukey (5%). (AU)