Busca avançada
Ano de início
Entree

Diferença na expressão de dor entre recém-nascidos de gênero feminino e masculino na presença de um estímulo doloroso agudo

Processo: 09/06145-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Ruth Guinsburg
Beneficiário:Ruth Guinsburg
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Clínica médica  Neonatologia  Recém-nascido  Dor  Medição da dor  Gêneros (grupos sociais)  Homens  Mulheres 

Resumo

Existem diferenças entre os gêneros masculino e feminino no processamento e expressão da dor. Tais diferenças podem ser explicadas por fatores biológicos e ambientais, o papel específico de cada um desses fatores é desconhecido. O fato de a socialização se desenvolver após o nascimento torna interessante a avaliação de pacientes recém-nascidos para conhecer o impacto dos fatores biológicos na expressão da dor do ser humano dos dois sexos. Objetivo: Analisar as diferenças na expressão de dor entre recém-nascidos do sexo masculino e feminino nas primeiras 6 horas de vida. Método: Estudo clínico prospectivo e cego de 400 recém-nascidos saudáveis (200 de cada sexo) com idade gestacional entre 37 e 41 semanas e seis dias, nas primeiras 6 horas de vida, que recebem a injeção intramuscular na coxa direita como medida profilática rotineira para a prevenção da doença hemorrágica do Recém-Nascido. Para bebês de ambos os sexos, serão avaliados os seguintes parâmetros: freqüência cardíaca, saturação de oxigênio e escalas de dor, sendo estas o Sistema de Codificação da Atividade Facial Neonatal (Neonatal Facial Coding System - NFCS), os Indicadores Comportamentais da Dor Infantil (Behavioral Indicators of Infant Pain - BIIP) e o Perfil de Dor do Prematuro (Premature Infant Pain Profile - PIPP). O NFCS e o BIIP serão avaliados antes do procedimento (depois de 8 minutos de repouso), durante a assepsia da coxa, durante a injeção e dois minutos depois. O PIPP será avaliado no tempo injeção em relação ao repouso inicial. Os dados serão avaliados por ANOVA para medidas repetidas e por ANOVA ajustados para características demográficas e clínicas dos neonatos, comparando-se os fatores principais, tempo e sexo, além da interação entre ambos. Além disso, os dados serão avaliados por regressão logística, sendo a pontuação final de cada uma das escalas a variável dependente e o sexo do recém-nascido uma das variáveis independentes. (AU)