Busca avançada
Ano de início
Entree

Aflatoxina M1 em produtos lácteos: métodos de análise, incidência, estabilidade e distribuição

Processo: 08/57739-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2009 - 30 de junho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:Maria Helena Iha Matias
Beneficiário:Maria Helena Iha Matias
Instituição-sede: Instituto Adolfo Lutz (IAL). Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):10/00684-9 - Incidência de Aflatoxina M1 em leite e produtos de leite, BP.TT
Assunto(s):Aflatoxina M1  Distribuicão  Incidência  Estabilidade 

Resumo

O leite e seus derivados são produtos nutritivos, muito consumido, que contém elementos essenciais para nossa dieta, porém pode conter produtos tóxicos como a aflatoxina M1. Os objetivos principais do projeto são três: (a) desenvolver e/ou adaptar e validar métodos para análise de aflatoxina M1 em leite, queijo minas tipo frescal e padrão e bebidas lácteas, sendo levado em consideração durante o desenvolvimento do método algumas características como: sensibilidade, reprodutibilidade, praticidade, baixo custo, geração de resíduos tóxicos e tempo de análise; (b) Avaliar a incidência e nível da aflatoxina M1 em leite de vaca, queijo minas e bebidas lácteas e aflatoxina M1 e ocratoxina A em leite humano. No Brasil os dados a respeito da incidência da aflatoxina M1 em produtos lácteos são escassos, sendo que em bebidas lácteas não foi encontrado nenhum estudo; (c) estudar a estabilidade e distribuição da micotoxina nos queijos minas tipo frescal e padrão, convencional e de baixa caloria e bebidas lácteas convencional e de baixa caloria, durante o seu processamento, correlacionando o nível da aflatoxina com as caracteristicas físico-químicas, pois existem diferenças na distribuição da toxina nos diferentes tipos de queijos. Será também estudado o comportamento da aflatoxina M1 e da ocratoxina A em leite materno durante o processo de pasteurização. O queijo minas é um produto brasileiro onde não foi estudado o comportamento da aflatoxina, e o soro resultante deste produto está sendo utilizado na fabricação de bebidas lácteas, barateando o seu custo e tomando-o popular. Este estudo fornecerá subsídios para as autoridades brasileiras estabelecerem os limites para aflatoxina M1 em produtos lácteos. (AU)